quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Conto: "O batismo das estrelas"


Como na maioria das lendas indígenas, tudo se passa num clima meio de sonho: num passe de mágica, arraias se tornam jatobás, e de jatobás se tornam estrelas.
Diz-se, pois, que certa feita um índio foi pescar com seu filho. Os dois estavam vasculhando as águas de um rio quando o garoto gritou:
– Veja, papai, uma arraia!
O pai avistou o bicho e, após fazer rápida pontaria, lançou a flecha.
– Pimba! – gritou o menino, pulando de alegria. – Vamos assá-la, papai! Estou com muita fome!
O pai mandou-o, então, acender uma fogueira, enquanto enrolava a arraia numas folhas. Depois de ajeitá-la bem no pequeno forno improvisado, o índio retornou ao rio.
– Vou ver se pesco mais alguma coisa – disse ele, enquanto o indiozinho vigiava o assado.
Um tempo se passou (não muito) até que o garoto berrou:
– Papai, a arraia já assou!
Mas o índio sabia que era cedo demais.
– Não! É preciso esperar muito mais!
Dali a pouco (bem pouquinho mesmo), o menino de novo:
– Papai, a arraia já assou!
– Assou nada! Espera mais um pouco!
Mas o menino tanto incomodou, louco de fome que estava, que o índio apareceu com cara de poucos amigos. Depois de retirar a arraia do seu invólucro, constatou que, de fato, ela ainda estava crua.
– Está vendo? Coma-a crua, agora!
O índio atirou a arraia longe e voltou sozinho para casa. O indiozinho começou a gritar e a chorar. No mesmo instante, gritos assustadores explodiram por toda a mata, enchendo-o de terror.
Então, sentindo-se indefeso, abraçou-se a um pé de jatobá e gritou:
– Jatobá, meu avô, sobe comigo!
O pé, que era pequeno, começou a crescer como o pé de feijão do João, levando consigo o menino. Quando estava altíssimo, tão alto que o garoto podia tocar o céu, o jatobá parou de crescer.
Só que a gritaria da floresta não cessara. Quem a promovia eram uns espíritos chamados Kogai, que estavam sempre ao redor do jatobá.
Então, a noite desceu, e, uma a uma, as estrelas começaram a surgir como pirilampos ao redor do menino empoleirado. Cada vez que uma surgia, escutava-se dos espíritos algo parecido com um assovio, que é a maneira de estes entes se comunicarem.
Quando a primeira estrela surgiu, o assobio lhe disse o seu nome, e depois foi dizendo o nome de todas as outras, inclusive das constelações.
– A Constelação Akiri! As Pequenas Garças! A Tartaruga da Água! Os Rastros da Ema!
O garoto ia retendo na memória cada um dos nomes, e passou toda a noite nesse brinquedo, até que a aurora surgiu. Então, o manto negro da noite foi recolhido rapidamente para as profundezas do horizonte, levando consigo todas as suas joias e os seus adornos.
As vozes cessaram, e o garoto, sentindo-se só e infeliz naquela vastidão sem estrelas, pediu ao jatobá que descesse com ele. A árvore obedeceu, e o garoto pulou, feliz, para o chão, indo levar à sua aldeia o conhecimento que adquirira durante toda a noite.


Fonte: As 100 melhores lendas do folclore brasileiro, de A. S. Franchini - Ed L&PM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ouça a estória "O galo rouco e o rato esperto", da Cigana Contadora de Estórias!

Quer saber quando tem estória nova no blog?

Apresentações de contadores de estórias

Palavra Cantada - O rato
Clara Haddad - O coelho e o baobá

Cia Ópera na Mala - A sopa de pedras do Pedro

Cia Ópera na Mala - Pedro Malazartes e o pássaro raro

Eventos & Cursos

A atualizar