quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Conto: "Lençóis sujos"

Já estou na 38ª semana de gestação. Falta bem pouco agora para o meu bebê nascer. Estou enorme, cansada e ainda atarefada com os preparativos finais para a chegada dele. Meu segundo filho, Lucas, deve chegar entre o dia 3o deste mês e o dia 02 de fevereiro, dia de Yemanjá - Odo Iya!
Minha filha Victoria está cada vez mais fofa, repetindo tudo que lhe ensinam. Ontem ela completou 1 ano e meio. Está deixando de ser um bebê. O tempo passa tão depressa! Já está comendo sozinha. Tudo bem, fazendo a maior bagunça, mas já tem sua própria independência.

Vai demorar um pouco ainda para eu poder voltar a contar estórias. Primeiro, o resguardo. Provavelmente, vou passar por outra cesariana. A recuperação é um pouco mais lenta. Segundo, com dois filhos pequenos, vou ter que ver com quem vou poder deixá-los enquanto conto minhas estórias. Ainda serão muito bebês para me acompanharem. Vivi ainda mama, fica impaciente. E Luquinhas será muito, muito pequenininho...

Coisas da maternidade... Mas vale a pena, com certeza!

Bem, ontem eu li um texto muito bacana, cujo conteúdo já tinha, de certa forma, lido antes em outro conto. Versa sobre o nosso julgamento equivocado em relação aos outros. A nossa triste mania de apontar o dedo sujo para os outros, nos esquecendo de nossas próprias falhas.

"Lençóis sujos"


Um casal, recém-casados, mudou-se para um bairro muito tranquilo.
Na primeira manhã que passavam na casa, enquanto tomavam café, a mulher reparou, através da janela, em uma vizinha que pendurava lençóis no varal e comentou com o marido:

- Que lençóis sujos ela está pendurando no varal! Está precisando de um sabão novo. Se eu tivesse intimidade perguntaria se ela quer que eu a ensine a lavar as roupas!

O marido observou calado.
Alguns dias depois, novamente, durante o café da manhã, a vizinha pendurava lençóis no varal e a mulher comentou com o marido:

- Nossa vizinha continua pendurando os lençóis sujos! Se eu tivesse intimidade perguntaria se ela quer que eu a ensine a lavar as roupas!

E assim, a cada dois ou três dias, a mulher repetia seu discurso, enquanto a vizinha pendurava suas roupas no varal.
Passado um mês, a mulher se surpreendeu ao ver os lençóis muito brancos sendo estendidos e, empolgada, foi dizer ao marido:

- Veja, ela aprendeu a lavar as roupas, Será que a outra vizinha ensinou??? Porque eu não fiz nada.

O marido calmamente respondeu:

- Não, hoje eu levantei mais cedo e lavei os vidros da nossa janela!

***

Autoria desconhecida

Ouça a estória "O galo rouco e o rato esperto", da Cigana Contadora de Estórias!

Quer saber quando tem estória nova no blog?

Apresentações de contadores de estórias

Palavra Cantada - O rato
Clara Haddad - O coelho e o baobá

Cia Ópera na Mala - A sopa de pedras do Pedro

Cia Ópera na Mala - Pedro Malazartes e o pássaro raro

Eventos & Cursos

A atualizar