terça-feira, 13 de outubro de 2009

Matéria: "Hábito da leitura vem de berço"

Saiu na Revista do JC - Jornal do Commercio - deste final de semana, um dos maiores jornais em circulação em Pernambuco, uma matéria bem interessante sobre a importância de incutir o gosto pelos livros entre os pequenos. É um hábito que vem de berço mesmo. Pais leitores geram filhos leitores. Leia a matéria na íntegra:


Hábito da leitura vem de berço
Publicado em 11.10.2009

A melhor forma de despertar nos pequenos o gosto pelo mundo da literatura é mergulhar nele: filhos que crescem vendo os pais curtirem os livros, viram leitores ávidos

Bruna Cabral

bruna@jc.com.br

Era uma vez um menino que, desde cedo, descobriu nas letras sua brincadeira favorita. A princípio, o abecedário não fazia mais que aparar suas quedas. Era um tapete macio que decorava o quarto e aguçava a curiosidade do pequeno brincalhão. Depois, vieram os livrinhos de plástico para o banho e os de papel para todas as horas. Não demorou muito e os gibis viraram a companhia mais requisitada do menino que crescia cercado de letrinhas. Com uma forcinha da mãe e da avó, ele alfabetizou-se cedo. Aos 4 anos, já lia de tudo. E nunca mais parou. Seis anos depois, o menino já tem uma coleção enorme de livros na prateleira. E outra maior ainda no juízo.

Essa história é real e seu protagonista é Vinícius, filho da estilista Carol Azevedo, que lê, em média, sete livros por mês, das aventuras do bruxinho Harry Potter aos clássicos policiais estrelados por Sherlock Holmes. “Ele gosta de ser CDF. Dorme de óculos e já acorda lendo”, comemora a mãe, certa de que livros são escadas que Vinícius já começou a subir na vida. Aliás, certíssima. Segundo a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada entre novembro e dezembro de 2007 e divulgada no ano passado pelo Ibope Inteligência, um em cada três leitores adquire o hábito com os pais. Com 5 anos de idade em diante, 49% dos 5.012 entrevistados admitiram ter sido sua mãe a maior incentivadora da leitura por prazer.

Um papel que a pesquisadora Patrícia Bandeira de Melo, mãe de Pedro Antero, 8, assumiu sem economizar esforços. “Para mim, era essencial que ele gostasse de ler”, conta Patrícia, que apelou para o arsenal completo dedicado a iniciantes: dos tapetes com letras de plástico aos gibis.

“Também fiz questão de contar muitas histórias para ele dormir, das mais bobinhas a clássicos como O mágico de Oz.” O resultado não tardou a aparecer. Corujices maternas à parte, Pedro Antero é a criatividade ambulante. Vive encarnando os mais diversos personagens nas festinhas familiares e até já montou em casa uma verdadeira editora de gibis, na qual assume, sem reclamar das extenuantes jornadas de trabalho, os postos de editor, desenhista e roteirista. “De livro em livro, brincadeira em brincadeira, tenho certeza de que ele será um profissional diferenciado, seja lá qual for a carreira que escolher”, prevê a mãe.

Para Tomás Manzi, 10, a vida sem livros também seria inviável. Na verdade, pouquíssimo prazerosa. Leitor voraz, ele é do tipo que esquece até de tomar banho e comer quanto está no meio de uma boa história. “Às vezes, inventa de sair de casa com o livro debaixo do braço e, se eu não cuidar, ele atravessa a rua sem tirar o olho do texto”, conta a mãe Cristiane Gueiros, advogada e, não por acaso, fã incondicional dos mais diversos tipos de literatura. “Aqui em casa, quem leu primeiro a coleção inteira de Harry Potter fui eu”, conta Cristiane, que virou atração na escola dos filhos. “Até hoje as crianças ficam me perguntando coisas sobre os livros, tirando dúvidas. Elas acham o máximo um adulto gostar de Harry Potter.” A coleção, diga-se de passagem, já deixou de ser de Cristiane faz tempo. Tanto Tomás, quanto o irmão, Samuel, 7, já se renderam aos encantos do pequeno, aliás, ex-pequeno bruxo.

Mais que algumas histórias, o que Cristiane quer compartilhar com os filhos é um hábito. “Ficaria complicado dizer a Tomás e Samuel que eles precisam ler, se ninguém em casa tivesse o hábito.” O melhor exemplo, garante, é a prática.

E isso vale tanto para a leitura offline quanto para a online. “Eles navegam à vontade, mas estou sempre orientando. Digo que internet é como um martelo, que pode ser usado para bater um prego e pendurar um quadro na parede ou para meter na cabeça do colega e fazer um estrago enorme.” O valor de toda ferramenta, diz a mãe zelosa, depende do uso que a gente faz dela.

Um mérito inquestionável da internet, segundo a coordenadora pedagógica da escola Apoio, é fazer circular uma quantidade enorme de informações no mundo inteiro. “Nunca se teve tanto conhecimento à disposição como hoje”, diz. Melhor para as crianças, que têm a faca e o queijo na mão desde muito cedo, aliás, lazer e aprendizado. “A leitura desenvolve senso crítico, forma cidadãos mais pensantes, mais atuantes, além de ser um acesso para o que há de mais belo na humanidade”, diz Rejane, que, com a equipe de professores da escola, se desdobra em projetos para estimular a leitura.

Para os mais novos, são realizadas as rodas de leitura, em que são lidos e discutidos clássicos de Manuel Bandeira, Olavo Bilac e até Ítalo Calvino. “Engana-se quem pensa que criança digere só coisa boba.” Para os mais velhos, as professoras mandam livros para serem lidos e depois traduzidos em desenhos ou textos em casa. “Sem falar nas aulas de literatura”. Tudo culmina numa publicação com textos e ilustrações dos próprios alunos, editado ao final de cada ano.

Na escola Exponente, a leitura também é tão valorizada, que todos os estudantes têm aula na biblioteca a cada 15 dias. Uma das atividades prediletas de Luca Leitão, 5, e Frederico dos Santos, 4, que, apesar da pouca idade, já têm a foto estampada nos corredores do colégio como os leitores mais assíduos do mês. Dedicadíssimos aos livros, eles vivem na biblioteca e consideram os livros uma brincadeira das mais divertidas. De livro em livro, Luca já aprendeu a escrever o nome inteiro, antes mesmo de chegar à alfabetização. Seu predileto? “Todos de dinossauro”, diz, sem nem tirar os olhos de uma dessas publicações jurássicas. Com a ajuda dos livros, diz uma das coordenadora da instituição, Liane Niceas, a aquisição de conhecimento torna-se um processo mais prazeroso, que não fica restrito aos muros da escola.

É por isso que as professoras Patrícia Pompílio, Estela Santos e os filhos das duas não perdem uma edição que seja da Bienal do Livro de Pernambuco. A feira, que acaba amanhã, no Centro de Convenções, está repleta de atrações para a criançada em todos os estandes. E, principalmente, no primeiro andar, onde fica a Cidade do Livro, com contação de histórias e oficina de produção de publicações.

Este ano, a caravana dos Pompílios e dos Santos visitou a feira logo na abertura. “Ler é um hábito que precisa ser estimulado desde cedo”, disse Patrícia. E fez: só na bienal, cada um dos três filhos ganhou dois livros. O difícil foi escolher.

Para criar futuros leitores
Publicado em 11.10.2009

Sem estímulo, não há leitores. Para despertar nos pequenos o prazer que os livros podem proporcionar, o mais importante, garantem os pedagogos, é respeitar o ritmo da criançada. Os mais novos gostam de livros cheios de figuras e, de preferência, interativos. Já para os mais velhos, as ilustrações vão perdendo, gradativamente, a importância. O melhor, para não desencorajar leitores iniciantes, é atender a pedidos quando for à livraria. Assim se equilibra interesse e aprendizado. Confira algumas opções fofas de livros lançados recentemente.J

1 A publicação é ilustrada em scanimation, que garante movimento às figuras. Ed. Sextante Infantil. Preço sugerido: R$ 24,90

2 De Valéria Belém, Feita de pano mostra que a vida é a costura de pequenos momentos. Da Companhia Editora Nacional. Preço sugerido: R$ 23

3 Conta a história de um lugar onde tudo é exagerado, o livro é ilustrado por Marcos Garutti. Editora Lazuli. Preço sugerido: R$ 16

4 Escritora Rosa Amanda Strausz, em Nico, fala de vaidade na infância. Editora Larousse. Preço sugerido: R$ 21,50

5 Primeira obra de Ziraldo, o livro foi relançado com capa nova. Editora Melhoramentos. R$ 59

6 Em pop up, a publicação conta – e monta – a história da arca de Noé. Da Sociedade Bíblica do Brasil. Preço sugerido: R$ 29,80

***
Link: http://jc3.uol.com.br/jornal/2009/10/11/not_350370.php

Ouça a estória "O galo rouco e o rato esperto", da Cigana Contadora de Estórias!

Quer saber quando tem estória nova no blog?

Apresentações de contadores de estórias

Palavra Cantada - O rato
Clara Haddad - O coelho e o baobá

Cia Ópera na Mala - A sopa de pedras do Pedro

Cia Ópera na Mala - Pedro Malazartes e o pássaro raro

Eventos & Cursos

A atualizar