domingo, 28 de junho de 2009

Conto: "O homem sem sorte"

Vi a dica desse conto na comunidade Contadores de Histórias, do Orkut, e acessei o vídeo da Clara Haddad contando-o. Achei tão interessante que trouxe para você. Se quiser assistir ao vídeo, acesse: http://www.youtube.com/watch?v=frsD1osW02k

O homem sem sorte

Vivia perto de uma aldeia um homem, um homem que era completamente sem sorte. Nada do que ele fazia dava certo. Muitas vezes ele plantava sementes e o vento vinha e as levava, outras vezes, era a chuva, que vinha tão violenta que carregava as sementes. Outras vezes ainda, as sementes permaneciam sob a terra, mas o sol era tão quente que as cozinhava. E ele se queixava com as pessoas e as pessoas escutavam suas queixas, da primeira vez com simpatia, depois com um certo desconforto e enfim, quando o viam mudavam de caminho ou entravam para suas casas fechando portas e janelas, evitando-o. Então, além de sem sorte, o homem se tornou chato e muito só.

Ele então começou a procurar um culpado para o que lhe acontecia. Analisando a situação de sua família, percebeu que seu pai era um homem de sorte, sua mãe tinha tido sorte por ter se casado com seu pai e seus irmãos eram muito bem sucedidos. Pois então, se não era um caso genético, só poderia ser coisa do Criador. E depois de muito pensar, resolveu tomar uma atitude e ir até o fim do mundo falar com o Criador, que, como Criador de tudo, deveria ter uma resposta.

Arrumou sua malinha, algum alimento e partiu rumo ao fim do mundo. Andou um dia, um mês, um ano e um dia, e pouco antes de entrar numa grande floresta ouviu uma voz:

- Moço, me ajude!

Ele olhou para os lados procurando alguém. Até que se deparou com um lobo, magro, quase sem pelos; era pele e osso o infeliz. Dava para contar suas costelas . E o lobo falou:

- Há três meses estou nesta situação. Não sei o que está acontecendo comigo. Não tenho forças para me levantar daqui.


O homem refeito do susto respondeu:

- Você está se queixando à toa ...Eu tive azar a vida inteira. O que são três meses? Mas faça como eu. Procure uma resposta. Eu estou indo procurar o Criador para resolver o meu problema.

- Se eu não tenho forças nem para ir ao rio beber água... Faça este favor para mim . Você está indo vê-lo, pergunte o que está acontecendo comigo.

O homem fez um sinal de insatisfação e disse que estava muito preocupado com seu problema, mas se lembrasse, perguntaria. Virando as costas, continuou seu caminho. Andou um dia, um mês, um ano e um dia e de repente, ao tropeçar numa raiz, ouviu:

- Moço, cuidado!

E quando olhou, viu uma folhinha que vinha caindo, caindo. Olhando para cima, viu uma árvore com apenas duas folhinhas. Levantou-se e, observando suas raízes desenterradas, seus galhos retorcidos, sua casca soltando-se do tronco, falou:

- Você não se envergonha ? Olhe as outras árvores a sua volta e diga se você pode ser chamada de árvore? Conserte sua postura.

A árvore, com uma voz de muita dor, disse:

- Não sei o que está acontecendo comigo. Estou me sentindo tão doente. Há seis meses que minhas folhas estão caindo, e agora, como vê, só restam duas...


E, no fim da conversa, pediu ao homem que procurasse uma solução com o Criador.

Contrariado, o homem virou as costas com mais uma incumbência. Andou um dia, um mês, um ano e um dia e chegou a um vale muito florido , com flores de todas as cores e perfumes. Mas o homem não reparou nisto. Chegou até uma casa e, na frente da casa, estava uma moça muito bonita que o convidou a entrar. Eles conversaram longamente e quando o homem deu por si já era madrugada. Ele se levantou dizendo que não podia perder tempo e quando já estava saindo ela lhe pediu um favor:

- Você que vai procurar o Criador, podia perguntar uma coisa para mim? É que, de vez em quando, sinto um vazio no peito, que não tem motivo, nem explicação. Gostaria de saber o que é e o que posso fazer por isto.


O homem prometeu que perguntaria e virou as costas e andou um dia, um mês, um ano e um dia e chegou, por fim, ao fim do mundo. Sentou-se e ficou esperando até que ouviu uma voz. E uma voz no fim do mundo só poderia ser a voz do Criador.

- Tenho muitos nomes. Chamam-me também de Criador... - a voz falou.


E o homem contou então toda a sua triste vida. Conversou longamente com a voz até que se levantou e, virando as costas, foi saindo, quando a voz lhe perguntou:

- Você não está se esquecendo de nada ? Não ficou de saber respostas para uma árvore, para um lobo e para uma jovem ?

- Tem razão...


E voltou-se para ouvir o que tinha que ser dito. Depois, virou-se e correu mais rápido que o vento, até que chegou à casa da jovem. Como ela estava em frente à casa, vendo-o passar chamou:

- Ei!!! Você conseguiu encontrar o Criador? Teve as respostas que queria?

- Sim!!! Claro! O Criador disse que minha sorte está toda no mundo. Basta eu ficar alerta para perceber a hora de apanhá-la!

- E quanto a mim, você teve a chance de fazer a minha pergunta?

- Ah! O Criador disse que o que você sente é solidão. Assim que encontrar um companheiro, vai ser completamente feliz, e mais feliz ainda vai ser o seu companheiro.

A jovem então abriu um sorriso e perguntou ao homem se ele queria ser este companheiro.

- Claro que não... Já trouxe a sua resposta... Não posso ficar aqui perdendo tempo com você. Não foi para ficar aqui que fiz toda esta jornada. Adeus!!!

E virando as costas correu, mais rápido do que a água, até a floresta onde estava a árvore. Ele nem se lembrava mais dela. Mas quando novamente tropeçou em sua raiz, viu caindo uma última folhinha. Ela perguntou se ele tinha uma resposta, ao que o homem respondeu:

- Tenho muita pressa e vou ser breve, pois estou indo em busca de minha sorte e ela está no mundo. O Criador disse que você tem embaixo de suas raízes uma caixa de ferro cheia de moedas de ouro. O ferro desta caixa está corroendo suas raízes. Se você cavar e tirar este tesouro daí, vai terminar todo o seu sofrimento e você vai poder virar uma árvore saudável novamente.

- Por favor!!!Faça isto por mim!!! Eu não tenho como fazê-lo. Você pode ficar com o tesouro. Ele não serve para mim. Eu só quero de novo minha força e energia.


O homem deu um pulo e falou indignado:

- Você está me achando com cara de quê? Já trouxe a resposta para você. Agora resolva o seu problema. O Criador falou que minha sorte está no mundo e eu não posso perder tempo aqui conversando com você, muito menos sujando minhas mãos na terra.


E virando as costas, correu, mais rápido do que a luz, atravessou a floresta e chegou onde estava o lobo, mais magro ainda e mais fraco. O homem se dirigiu a ele apressadamente e disse:

- O Criador mandou lhe falar que você não está doente. O que você tem é fome. Está a morrer de inanição, e como não tem forças mais para sair e caçar, vai morrer ai mesmo. A não ser que passe por aqui uma criatura bastante estúpida e você consiga comê-la.

E nesse momento, os olhos do lobo se encheram de um brilho estranho, e reunindo o restante de suas forças, o lobo deu um pulo e comeu o homem sem sorte.
***

sábado, 27 de junho de 2009

Artigo: "Contar histórias: uma arte imortal" - Ana Lúcia Merege

Música, tradição oral e encantamento são ferramentas do contador de estórias
Contar histórias: uma arte imortal
Ana Lúcia Merege

Nos últimos anos, a arte de contar histórias vem sendo retomada não apenas por terapeutas e educadores, mas por pessoas de todas as formações, de várias camadas da sociedade, que se reúnem para partilhar sabedoria, afeto e energia através das narrativas. Para fazê-lo, não há regras: o melhor é usar o coração e a intuição, além da experiência que só se adquire através do tempo. No entanto, uma discussão acerca do que significa contar histórias e do que é necessário para isso pode nos levar a alguns pontos interessantes.

Em primeiro lugar, é preciso saber que contar histórias é uma arte popular. Uma aproximação excessivamente acadêmica e/ou sofisticada pode esvaziar o conteúdo emocional da narrativa, deixando o público pouco à vontade. Da mesma forma, deve-se ter em mente que, embora o ato de contar histórias possa se inserir numa proposta terapêutica ou num projeto pedagógico, não se pode agir de forma mecânica, apenas para cumprir um dever ou para ensinar o que quer que seja, de regras gramaticais a valores doutrinários. As histórias devem ser contadas por e com prazer. Se não, nem vale a pena começar.

O background cultural do narrador e a sua familiaridade com as histórias também são importantes. Ao narrar um conto maravilhoso, por exemplo, é muito mais importante conhecer e ser capaz de visualizar o cenário em que ele se desenvolve do que saber as palavras exatas. Saber de onde vem a versão que se está narrando é bom, mas melhor ainda é saber trabalhar, criativamente, com os elementos fornecidos pela narrativa, e ser capaz de levar o público a se identificar e se interessar por ela.

A escolha do repertório é fundamental para um contador de histórias. Segundo SAWYER, mesmo os contadores mais experientes encontram dificuldades com alguns textos e mais facilidade com outros, sugerindo que se trabalhe com três tipos básicos de material: literatura popular (onde se incluem os contos de fadas), contos literários e trechos de livros (SAWYER, 1990, p. 153). Para ela, a literatura popular é a mais fácil de trabalhar, pois tem uma linguagem universal e uma estrutura narrativa simples.

A opinião é partilhada por RIBEIRO, segundo o qual “por mais que os requintes e lançamentos literários sofram um constante aperfeiçoamento (...) a literatura infanto-juvenil continuará tendo a sua faceta mais atraente na literatura de tradição oral e mais propriamente nos contos de fadas (RIBEIRO, 2002, p. 14-15). Mesmo para um público de adultos (ou misto), essas histórias jamais perdem o seu encanto, sendo no entanto aconselhável que o narrador as estudem previamente, conhecendo-as bem, a fim de ser capaz de transmitir todas as nuances contidas em cada trecho e em cada elemento da narrativa.

A propósito desse assunto, é preciso esclarecer que existem diferenças entre contar, ler e representar histórias, embora todas elas envolvam uma preparação e uma performance mais ou menos elaborada. A forma como se vai trabalhar depende de nossos gostos, de nosso estilo, de nosso objetivo... e, antes de tudo, de nossa sensibilidade.

De qualquer forma, o narrador se beneficiará do domínio de algumas técnicas de voz e expressão corporal, bem como – mais uma vez – do conhecimento profundo da história e dos personagens. A sutileza é sempre preferível ao exagero. Como diz BUSATTO, “o Lobo Mau não precisa falar grosso para demonstrar sua ferocidade (...). O que podemos carregar do teatro é justamente a intenção que carrega um ritmo preciso” (BUSATTO, 2003, p. 76). A partir daí tudo se torna uma questão de tempo, de paciência, de experimentação e, porque não dizer, de ousadia por parte do narrador, que irá acertar e errar muitas vezes ao longo de sua trajetória. No entanto, se for essa a sua vocação, ele irá persistir... uma vez que, para o verdadeiro contador de histórias, o ato de narrar é parte inseparável da vida.

Contar histórias não é um ato apenas intelectual, mas espiritual e afetivo. Por isso, as melhores histórias são as que contamos espontaneamente, a partir do que carregamos em nossa bagagem de cultura e de experiência de vida.

Independente de qualquer sentido, contar histórias pressupõe, antes de tudo, a vontade de falar do que se sabe, de doar sabedoria e conhecimento, de passar adiante aquilo que se aprendeu. Mais simplesmente ainda: contar histórias é aumentar o círculo. E, mesmo na falta de uma fogueira ou das lareiras de nossas avós, podemos fazê-lo aqui e agora, partilhando nossas histórias, lançando fios invisíveis que nos unem numa só rede.


LEITURAS SUGERIDAS:

BUSATTO, Cléo. Contar e encantar. Petrópolis: Vozes, 2003.

FITZPATRICK, Jean Grasso. Era uma vez uma família. Rio de Janeiro: Objetiva, 1998.
MACHADO, Ana Maria. Como e por que ler os clássicos universais desde cedo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.

RIBEIRO, Jonas. Ouvidos dourados. São Paulo: Ave-Maria, 2002.

SAWYER, Ruth. The way of the storyteller. New York: Penguin Books, 1990.

SIMPKINSON, Charles e Anna (org.). Histórias sagradas. Rio de Janeiro: Rocco, 2002


***

Ana Lúcia Merege


quinta-feira, 25 de junho de 2009

Conto: "Pagamento justo"

Quando o dono do restaurante disse que o mendigo teria que pagar a fumaça da carne, Nasrudin pegou um saco de moedas de ouro, sacudiu-o perto da orelha do homem e perguntou:
- O que você está escutando?
- O tilintar das moedas.
- Muito bem - disse Nasrudin. - Esse é o seu pagamento. O som das moedas é um ótimo pagamento para o cheiro da carne. Caso encerrado.

***
Retirado do livro “NASRUDIN” de Regina Machado, Editora Companhia das Letrinhas – 1994

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Conto: "Nasrudin sempre escolhe errado"


Todos os dias Nasrudin ia esmolar na feira, e as pessoas adoravam vê-lo fazendo o papel de tolo, com o seguinte truque: mostravam duas moedas, uma valendo dez vezes mais que a outra. Nasrudin sempre escolhia a menor.
A história correu pelo condado. Dia após dia, grupos de homens e mulheres mostravam as duas moedas, e Nasrudin sempre ficava com a menor.
Até que apareceu um senhor generoso, cansado de ver Nasrudin sendo ridicularizado daquela maneira. Chamando-o num canto da praça, disse:
- Sempre que lhe oferecerem duas moedas, escolha a maior. Assim terá mais dinheiro, e não será considerado idiota pelos outros.
- O senhor parece ter razão - respondeu Nasrudin. - Mas se eu escolher a moeda maior, as pessoas vão deixar de me oferecer dinheiro, para provar que sou mais idiota que elas. O senhor não sabe quanto dinheiro já ganhei, usando este truque.

***
Fonte: Histórias para pais, filhos e netos - Paulo Coelho

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Artigo: "Educar é contar histórias" - Claudio de Moura Castro

Saiu na Revista Veja do dia 10 de junho deste ano (ed. 2116), um excelente artigo do economista Claudio de Moura Castro, sobre como seria muito mais fácil o aprendizado se o professor soubesse contar histórias.
Leia abaixo:

Educar é contar histórias

"Bons professores eletrizam seus alunos com narrativas interessantes ou curiosas, carregando nas costas as lições que querem ensinar"

De que servem todos os conhecimentos do mundo, se não somos capazes de transmiti-los aos nossos alunos? A ciência e a arte de ensinar são ingredientes críticos no ensino, constituindo-se em processos chamados de pedagogia ou didática. Mas esses nomes ficaram poluídos por ideologias e ruídos semânticos. Perguntemos quem foram os grandes educadores da história. A maioria dos nomes decantados pelos nossos gurus faz apenas "pedagogia de astronauta". Do espaço sideral, apontam seus telescópios para a sala de aula. Pouco enxergam, pouco ensinam que sirva aqui na terra.
Tenho meus candidatos. Chamam-se Jesus Cristo e Walt Disney. Eles pareciam saber que educar é contar histórias. Esse é o verdadeiro ensino contextualizado, que galvaniza o imaginário dos discípulos fazendo-os viver o enredo e prestar atenção às palavras da narrativa. Dentro da história, suavemente, enleiam-se as mensagens. Jesus e seus discípulos mudaram as crenças de meio mundo. Narraram parábolas que culminavam com uma mensagem moral ou de fé. Walt Disney foi o maior contador de histórias do século XX. Inovou em todos os azimutes. Inventou o desenho animado, deu vida às histórias em quadrinhos, fez filmes de aventura e criou os parques temáticos, com seus autômatos e simulações digitais. Em tudo enfiava uma mensagem. Não precisamos concordar com elas (e, aliás, tendemos a não concordar). Mas precisamos aprender as suas técnicas de narrativa.

Há alguns anos, professores americanos de inglês se reuniram para carpir as suas mágoas: apesar dos esplêndidos livros disponíveis, os alunos se recusavam a ler. Poucas semanas depois, foi lançado um dos volumes de Harry Potter, vendendo 9 milhões de exemplares, 24 horas após o lançamento! Se os alunos leem J.K. Rowling e não gostam de outros, é porque estes são chatos. Em um gesto de realismo, muitos professores passaram a usar Harry Potter para ensinar até física. De fato, educar é contar histórias. Bons professores estão sempre eletrizando seus alunos com narrativas interessantes ou curiosas, carregando nas costas as lições que querem ensinar. É preciso ignorar as teorias intergalácticas dos "pedagogos astronautas" e aprender com Jesus, Esopo, Disney, Monteiro Lobato e J.K. Row-ling. Eles é que sabem.
Poucos estudantes absorvem as abstrações, quando apresentadas a sangue-frio: "Seja X a largura de um retângulo...". De fato, não se aprende matemática sem contextualização em exemplos concretos. Mas o professor pode entrar na sala de aula e propor a seus alunos: "Vamos construir um novo quadro-negro. De quantos metros quadrados de compensado precisaremos? E de quantos metros lineares de moldura?". Aí está a narrativa para ensinar áreas e perímetros. Abundante pesquisa mostra que a maioria dos alunos só aprende quando o assunto é contextualizado. Quando falamos em analogias e metáforas, estamos explorando o mesmo filão. Histórias e casos reais ou imaginários podem ser usados na aula. Para quem vê uma equação pela primeira vez, compará-la a uma gangorra pode ser a melhor porta de entrada. Encontrando pela primeira vez a eletricidade, podemos falar de um cano com água. A pressão da coluna de água é a voltagem. O diâmetro do cano ilustra a amperagem, pois em um cano "grosso" flui mais água. Aprendidos esses conceitos básicos, tais analogias podem ser abandonadas.
É preciso garimpar as boas narrativas que permitam empacotar habilmente a mensagem. Um dos maiores absurdos da doutrina pedagógica vigente é mandar o professor "construir sua própria aula", em vez de selecionar as ideias que deram certo alhures. É irrealista e injusto querer que o professor seja um autor como Monteiro Lobato ou J.K. Rowling. É preciso oferecer a ele as melhores ferramentas – até que apareçam outras mais eficazes. Melhor ainda é fornecer isso tudo já articulado e sequenciado. Plágio? Lembremo-nos do que disse Picasso: "O bom artista copia, o grande artista rouba ideias". Se um dos maiores pintores do século XX achava isso, por que os professores não podem copiar? Preparar aulas é buscar as boas narrativas, exemplos e exercícios interessantes, reinterpretando e ajustando (é aí que entra a criatividade). Se "colando" dos melhores materiais disponíveis ele conseguir fazer brilhar os olhinhos de seus alunos, já merecerá todos os aplausos.


***
Claudio de Moura Castro é economista
E-mail: claudio&moura&castro@cmcastro.com.br

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Matéria:" Contar histórias ajuda a formar inconsciente infantil"

" A criança que ouve histórias nunca mais se esquece de sua relação com o contador"


Contar histórias ajuda a formar inconsciente infantil
DÉBORA YURI - Revista da Folha de S.Paulo - 14/03/2004

Maria Eugênia, 8, cresceu convivendo todas as noites com seus amigos Come-come e Ninoca. Suas brincadeiras favoritas aconteciam no seu castelo mágico. Mas nenhum dos dois personagens existe, nem o castelo: tudo foi inventado pelo pai da garota.


"Na hora de colocá-la para dormir, comecei a contar histórias baseadas nos filmes da Disney. Percebi que ela ficava mais interessada quando eu a colocava dentro da narrativa", conta o consultor de marketing Carlos Eduardo de Moraes Lacerda, 50, o "inventor", do "castelo mágico da Maria Eugênia" e da "casinha da ratinha Ninoca".


Quando Pedro, hoje com dois anos, estava para nascer, Maria Eugênia começou a ouvir histórias cujo enredo já trazia o futuro irmão.


"Foi o melhor jeito que arrumamos para prepará-la", diz Lacerda, que compartilha a tarefa com a ex-mulher, a publicitária Juliana Geve, 35.


"Essa é a nossa divisão: ela lê livros, eu invento."Contar histórias, sejam de autores clássicos ou fruto da criatividade pessoal, é uma tradição fundamental para o crescimento.


"É o primeiro contato das crianças com o percurso de desenvolvimento humano. Elas vêem heróis e heroínas encarando obstáculos, vão aprendendo que é preciso enfrentar um problema e buscar solução", diz Regina Machado, 53, coordenadora do grupo de contadores de histórias do Núcleo de Arte e Educação da ECA-USP (Escola de Comunicações e Artes).


Ela ressalta a importância das histórias na formação do inconsciente infantil.


"Personagens como a mãe boa e a bruxa malvada ajudam a elaborar certas relações nessa faixa etária, como a ligação da criança com sua família, além de transmitir conceitos sobre o bem e o mal, o certo e o errado.


"O hábito ainda promove a interação entre pais e filhos. "Os dois lados compartilham um espaço diferente do dia-a-dia e trocam valores humanos básicos", diz Machado, que ministra cursos de contadores de histórias e lançará na Bienal o livro "Fundamentos Teórico-Poéticos da Arte de Contar Histórias" (editora DCL).


A ficção infantil, sobretudo o conto de fadas, é também a porta de entrada da criança no universo cultural. A literatura infantil é um caminho que pode levar a outras artes, como o cinema", diz Roxane Rojo, professora de lingüística aplicada da PUC-SP.


Ela sugere que o primeiro livro da vida seja dado como um presente de nascimento ao bebê. "Ele será usado um pouco mais tarde, mas é bom já ir deixando o quarto do filho cheio de livros", afirma.


Rojo faz um alerta: a escola tem papel fundamental na criação dos jovens leitores. "Os próprios pais têm de valorizar o livro, o que muitas vezes não acontece. Por isso é obrigação da escola inserir a leitura no programa desde a educação infantil."




Contadores




O interesse pela atividade fez pipocar cursos que pretendem ensinar como ser um bom "narrador", e grandes livrarias passaram a incluir em sua programação de final de semana oficinas com contadores de histórias. "Antes eu capacitava muitos professores, hoje o grosso do público são pais e mães", diz o arte-educador Giuliano Tierno, 26, que ministra cursos em todo o Estado.


Com o tempo, segundo Giuliano, o processo natural é que os papéis se invertam, e a criança comece a contar as histórias ouvidas. "Geralmente ela pede para o adulto contar várias vezes a mesma história, até decorá-la."


Carlos Lacerda conta que ficou emocionado há algumas semanas, quando levou a filha Maria Eugênia ao cinema. Juntos, eles assistiram "Peixe Grande e suas Histórias Maravilhosas", filme de Tim Burton que mostra a relação entre um pai contador de casos fabulosos e seu filho."


Acho que a criança que ouve histórias na cama nunca mais esquece a relação que estabelece com seu "contador'", diz.


Quer jeito mais gostoso de se tornar inesquecível?


Imagem: Ana Afonso (clique na ilustração para visitar o blog da ilustradora)

domingo, 14 de junho de 2009

Conto: "Os três leões" - novela Caminho das Índias

No capítulo do dia 13/06/09 da novela Caminho das Índias, o brâmane Shankar, esplendidamente vivido por Lima Duarte, contou uma estória a Hari, o pequeno dalit ("intocável", da casta mais baixa na Índia) que vive em sua casa, ao ver o menino entristecido por estar apaixonado por uma menina de uma casta superior e ter sido enxotado do portão da casa dela. Ele chamou o menino e disse-lhe que este tinha um problema, mas que iria lhe contar uma estória que poderia ajudá-lo a saber como enfrentar esse problema. Começou assim... "Na cordilheira do Himalaia, havia três leões..."
Apenas um poderia ser o rei, mas qual deles? Um dia, o macaco, representante eleito dos animais súditos, fez uma reunião com toda a bicharada e disse:
- Nós, os animais, sabemos que o leão é o rei dos animais, mas há uma dúvida no ar: existem 3 leões fortes. Ora, a qual deles nós devemos prestar homenagem? Quem, dentre eles, deverá ser o nosso rei?

Os 3 leões souberam da reunião e comentaram entre si:

- É verdade, a preocupação da bicharada faz sentido, aqui não pode haver 3 reis, precisamos saber qual de nós será o escolhido.

Mas como descobrir ?

Essa era a grande questão: lutar entre si eles não queriam, pois eram muito amigos. O impasse estava formado.

De novo, todos os animais se reuniram para discutir uma solução para o caso e acabaram tendo uma ideia excelente.

O macaco se encontrou com os 3 felinos e contou o que eles decidiram:

- Bem, senhores leões, encontramos uma solução desafiadora para o problema.

A solução está na Montanha Difícil.


- Montanha Difícil ? Como assim ?

- É simples, ponderou o macaco. Decidimos que vocês 3 deverão escalar a Montanha Difícil. O que atingir o pico primeiro será consagrado o rei dos reis.

A Montanha Difícil era a mais alta entre todas naquela imensa e gelada cordilheira.

O desafio foi aceito.

No dia combinado, milhares de animais cercaram a Montanha para assistir a grande escalada.

O primeiro tentou. Não conseguiu. Foi derrotado.

O segundo tentou. Não conseguiu. Foi derrotado.

O terceiro tentou. Não conseguiu. Foi derrotado.

Os animais estavam curiosos e impacientes, afinal, qual deles seria o rei, uma vez que os 3 foram derrotados?

Foi nesse momento que uma águia sábia, idosa na idade e grande em sabedoria, pediu a palavra:

- Eu sei quem deve ser o rei!!!

Todos os animais fizeram um silêncio de grande expectativa.

- A senhora sabe, mas como? todos gritaram para a Águia.

- É simples, disse a sábia águia, - eu estava voando entre eles, bem de perto e, quando eles voltaram fracassados para o vale, eu escutei o que cada um deles disse para a montanha.

O primeiro leão disse:

- Montanha, você me venceu!

O segundo leão disse:

- Montanha, você me venceu!

O terceiro leão também disse:

- Montanha, você me venceu, mas por enquanto! Você, montanha, já atingiu seu tamanho final, e eu ainda estou crescendo.

- A diferença, - completou a águia, - é que o terceiro leão teve uma atitude de vencedor diante da derrota e quem pensa assim é maior que seu problema: É rei de si mesmo.

Os animais da floresta aplaudiram entusiasticamente ao terceiro leão que foi coroado rei entre os reis.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Estudo: Tipos de contos populares - Ricardo Sérgio

Os contos do folclore brasileiro são um tesouro para o contador de estórias

Ricardo Sérgio

Existem várias classificações de contos populares. A mais conhecida é a de Aarne-Thompson (The types of the folktale), que distribui os contos populares em três grandes grupos:


1º. Contos de animais (1 a 299 tipos);
2º. Contos comuns (300-1199);
3º. Facécias/anedotas (1200-1999).


No entanto, vamos adotar a classificação efetuada pelo folclorista Luís da Câmara Cascudo, em seu Dicionário do Folclore Brasileiro, por ter o mérito de ater-se a aspectos intrínsecos da construção narrativa do conto popular e de buscar vincular as narrativas brasileiras a uma codificação internacional do imaginário humano. A classificação de Luís Câmara Cascudo é a seguinte:


Contos de Encantamento – Também é conhecido como conto maravilhoso ou conto de fadas. É um tipo de conto ambientado no sobrenatural e maravilhoso, onde príncipes, princesas enfrentam monstros e bruxas e conseguem superar as adversidades graças à intervenção de ajudantes mágicos. A história quase sempre tem um final feliz. Entre os contos de encantamentos há muitos que estão espalhados por todo o Brasil, mas que receberam um colorido especial de cada região, como Bicho de Palha (Gata Borralheira); sendo o conto que apresenta o maior número de versões (143) e o registro de três variantes (a mais tradicional é a que o ajudante mágico é uma vaca com a varinha de condão). Outros exemplos: A Princesa Jia, O Marido da Mãe d'água, O Filho da Burra, O Peixinho Encantado, Os Sete Sapatos da Princesa, A Filha do Diabo, Contos da Carochinha, Joãozinho e Maria, Branca de Neve, A Bela Adormecida, entre outros.


Contos de Animais - São contos em que os animais são dotados de qualidades, defeitos e sentimentos humanos. A esperteza e a astúcia são as únicas armas de que um animal, sempre de porte pequeno, dispõe para enfrentar seu inimigo mais forte. Estruturalmente assemelham-se à fábula, pois há na história uma intenção moralizante. Os tipos mais representativos integram os ciclos do macaco e a onça, do coelho e o sapo ou o cágado, da raposa e a onça. São exemplos: O gavião e o urubu, A raposa e as uvas, O pulo do gato, etc.


Contos de Exemplo - São aqueles estruturados pelo antagonismo Bem versus Mal, em que um delito contra uma norma de caráter social conduz o desfecho da intriga para uma lição de moral. Recorrendo à sagacidade para inverter a situação de desvantagem, o réu, transforma-se em herói. São exemplos: O Vaqueiro que não Mentia, O Compadre Rico e o Pobre, Os Dois Corcundas, A Menina dos Brincos de Ouro, entre outros.


Contos Religiosos - Caracterizam-se pela presença ou interferência divina. Mostram ao mesmo tempo a fé, a crendice, a superstição e o sentimento místico de nossa gente, numa singela aliança como se pode observar em Jesus e os lavradores, A Moça e a Vela, Os Rins da Ovelha, Como a Aranha Salvou o Menino Jesus, A Mãe de São Pedro etc.


Causos - São histórias cobertas de fantasia, nas quais se misturam elementos míticos e lendários, contadas, sobretudo por pescadores, tropeiros, vaqueiros, peões de fazenda e caçadores (extraordinários contadores de causos). Geralmente, o contador é o personagem principal, outras vezes, porém, apenas assistiu o fato.


Contos de Anedotas/Facécias - São narrativas curtas em tom de chacota leve e alegre. A trama é conduzida sob o foco de um herói malandro que troça de ricos e poderosos. Dentre os contos facciosos os do ciclo de Pedro Malasartes, de São Pedro e Jesus e de Bocage são os mais divulgados. Outros contos: A Mulher do Piolho, A Gulosa Disfarçada, O Menino Sabido e o Padre, A Sopa de Pedra, O Homem Que Pôs Um Ovo.


Contos Acumulativos - Também denominados “lengalenga”, são contos nos quais as seqüências narrativas se repetem e se encadeiam com acréscimos e recorrências de alguns elementos, sempre na mesma ordem, até o fim. Por isso são conhecidos como “contos de nunca mais acabar”. Eles têm característica de uma longa parlenda, contada e recontada para divertir as crianças.


Câmara Cascudo registra apenas dois contos cumulativos: O Menino e a Avó Gulosa e O Macaco Perdeu a Banana. Todavia, os pesquisadores da UFBA recolheram muitas versões. Pesquisadores outros encontraram 61 versões de contos desse gênero. No Brasil, os contos acumulativos são, na maioria, oriundos de Portugal. Os elementos locais são apenas acréscimos.
Contos Etiológicos – São contos inventados para explicar ou dar razão a origem de um aspecto, forma, hábito, disposição, propriedade, caráter de qualquer pessoa ou coisa. São exemplos: Porque o Negro é Preto, A Causa da Seca no Ceará, A Maçarapeba ficou com a boca torta por ter zombado de Nossa Senhora; A festa no céu, que explica porque o casco do cágado é todo em pedaços, para só citar esses.


Demônio Logrado - É a reunião de contos ou disputas em versos em que Demônio intervém; perdendo este uma aposta e sendo derrotado: Toca por Pauta, O Afilhado do Diabo, As Perguntas de Dom Lobo, Audiência do Capeta etc.


***
Publicado no Recanto das Letras em 05/06/2009

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Credo do Contador

Creio no contador, como memória viva do amor e creio em seu filho, e no filho de seu filho, e no filho de seu filho, porque eles são a estirpe da voz, os criadores da terra e do céu das vozes: voz das vozes.
Creio no contador, concebido nos espelhos da água, nascido humilde, tantas vezes negado, tantas vezes crucificado, porém nunca morto, nunca sepultado, porque sempre ressuscitou dos vivos congregando-os a ser: xamã, fabulista, contador de histórias...

Creio na magia que, na entrada das cavernas, acendeu o primeiro fogo que reuniu como estrelas: o assombro, o tremor, a fé.


Creio no contador que, desde os tempos tribais, a todos antecedeu para alcançar-nos por que é.


Creio em suas mentiras fabulosas que escondem fabulosas certezas, no prodígio de sua invenção que vaticina realidades insuspeitas, e também creio na fantasia das verdades e nas verdades da fantasia, por isso creio nas sete léguas das botas, na serpente que antes foi inofensiva galinha, e no gato único no mundo, aquele gato que ao miar lançava moedas de ouro pela boca.


Creio nos contos de minha mãe, como minha mãe acreditou nos contos de minha avó, como minha avó acreditou nos contos de minha bisavó e recordo a voz que me contava para afastar a enfermidade e o medo, a voz que recordava os conselhos entesourados pela mãe para passá-los ao filho;


— Não te desvies do teu caminho.


— Nunca faças de noite o que possas te envergonhar pela manhã.


Creio no direito da criança escutar contos; e mais, creio no direito das crianças vivas dentro dos adultos de voltar a escutar os contos que povoaram sua infância; e mais, creio nos direitos dos adultos desde sempre e para sempre de escutar contos, outros novos contos.


Creio no gesto que conta, porque em sua mão desnuda, despojadamente desnuda, está o coelho.


Creio no tambor que redobra, porque o que haveria sido do mundo se não tivesse sido inventado o tambor, se a poesia não reinventasse o mundo dentro de nós, se o conto, ao improvisar o mundo, não o reordenasse, se o teatro não desvelasse a cerimônia secreta das máscaras e por isso...


Porque creio, narro oralmente.


Creio que contar é defender a pureza, defender a sabedoria da ingenuidade, defender a força da indagação.


Creio que contar é compartilhar a confiança, compartilhar a simplicidade como transparência da profundidade, compartilhar a linguagem comum da beleza.


Creio que contar É AMOR.


Garzón Céspedes


***
Do site http://www.casadocontadordehistorias.org.br/

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Conto: "Viva Deus e ninguém mais"

"Viva Deus e ninguém mais!"


Era uma vez um casal de velhos muito unidos e religiosos. O velho, que era pescador, só falava dizendo um versinho assim:

Viva Deus e ninguém mais,
Quando Deus não quer,
No mundo nada se faz!

Tanto dizia que acabou chegando aos ouvidos do rei, que era orgulhoso por demais. Aborreceu-se muito e mandou chamar o velho pescador. Este, logo subindo a escadaria, e mesmo na presença dele, foi dizendo o versinho:
Viva Deus e ninguém mais,
Quando Deus não quer,
No mundo nada se faz!
Aí é que o rei ficava furioso com aquele atrevimento. Deu ao pescador um anel muito precioso e disse que voltasse quinze dias depois, trazendo a jóia.
O pescador entregou o anel à mulher, recomendando muito e continuou na sua vida ao mar. O rei mandou um criado de confiança comprar o anel. A velha não queria vender, mas o criado tanto dinheiro ofereceu que a velha ficou tonta e vendeu o anel. O criado entregou o anel ao rei e este, por segurança, atirou-o ao mar.
Quando o velho voltou e achou tanto dinheiro em casa e soube da verdade, botou as mãos na cabeça, vendo que estava morto. Não deixou de ir pescar na madrugada e, logo no primeiro lanço de tarrafa, trouxe um peixe grande e gordo que ele separou para sua ceia. Voltando, vendeu os peixes e mandou preparar o tal peixe.
Assim que a velha abriu a barriga do peixe encontrou o anel. Levou-o ao marido que não tinha deixado de dizer o seu "Viva Deus e ninguém mais..."
No dia marcado o pescador subiu as escadas do palácio e quando o rei pediu a jóia, o velho a entregou, limpinha como a tinha recebido. O rei ficou assombrado e disse:
- "O senhor tem toda a razão. Viva Deus e ninguém mais, quando Deus não quer, no mundo nada se faz".
Deu-lhe muito dinheiro e despediu-o.
O velho voltou e morreu com mais de cem anos, sempre cantando o verso:

Viva Deus e ninguém mais,
Quando Deus não quer,
No mundo nada se faz!
***
Contado por Clotilde Caridade Gomes – Natal/RN, registrado por Luís da Câmara Cascudo, em "Contos tradicionais do Brasil".

terça-feira, 9 de junho de 2009

Qualidades do contador de estórias

The Storyteller - pintura em óleo de Tereza

O mestre Malba Tahan, no Capítulo III de "A arte de ler e contar histórias", enumera as qualidades que um contador de estórias deve ter:

1º) Sentir, ou melhor, viver a história; ter a expressão viva, ardente, sugestiva
2º) Narrar com naturalidade, sem afetação
3º) Conhecer, com absoluta segurança, o enredo
4º) Dominar o auditório
5º) Contar dramaticamente (sem caráter teatral exagerado)
6º) Falar com voz adequada, clara e agradável
7º) Evitar ou corrigir defeitos da dicção
8º) Ser comedido nos gestos
9º) Emocionar-se com a própria narrativa

Vamos olhar essas características, uma a uma:

1) Sentir a história
Como se dá isso? Quando você lê uma estória, você se permite viajar nas palavras, imaginar as cenas, consegue sentir os aromas, o calor do sol, a brisa? Se consegue, viva! Já é um passo adiante. Mas se tem dificuldade nesse particular, terá que aprender uma técnica chamada "visualização". É muito usada em meditação e nos ajuda a sair da realidade, soltar o espírito, entrar em contato com o nosso íntimo. Faça um pequeno exercício de imaginação. Pegue uma imagem de uma fruta, por exemplo. Examine-a bem, veja a beleza e a vivacidade de suas cores. Imagine a sensação dela em sua mão. Permita-se aspirar seu delicado aroma. Imagine-se dando-lhe uma dentada, sentindo seu suco doce em sua boca. Faça esse exercício tantas vezes quantas forem necessárias para tornar a imagem o mais vívida possível. Mude de imagem. Pegue uma cena, um quadro. Observe os elementos, veja as pessoas pintadas nele. O que será que estão pensando, conversando? Quem são? Como é a vida delas? Viaje no que vê. Esses exercícios são ótimos para aprendermos a soltar as amarras do concreto, do cotidiano, e embarcar no abstrato. O contador de estórias precisa "ver" a cena que está narrando, senão como vai conseguir passá-la com a emoção certa para seu público?

2) Narrar com naturalidade
Menos é mais, já se disse muito isso. O exagero nunca é bom. Como você já deve ter desenvolvido a habilidade de "ver" e "sentir" sua estória, já consegue saber que sentimentos permeiam cada cena. Sinta o que está acontecendo, passe para sua audiência, mas sem afetação, sem teatralidade em demasia para não soar canastrice, caricato. Outra, traga a estória para a linguagem do seu ouvinte. Nada de estilo rebuscado, discursos empolados, retórica, etc etc. Só vai ficar chato e você vai soar esnobe, metido, enjoado. Lembre-se: para contar bem uma estória, deve ser estabelecida uma boa conexão com o seu ouvinte. Palavras difíceis, floreios e latim são ótimos para aborrecidos compêndios científicos e para entediar plateias. Discurso simples, narrativa clara, em linguagem correta, sem rebuscados, nem palavras de baixo calão ou gírias vulgares. Contar estórias também é educar.

3) Conhecer o enredo
Básico. Antes de contar sua estória, você tem que conhecê-la muito bem. Claro, não precisa decorar, tem que aprender. Ver as linhas principais do enredo, o que chamamos de "esqueleto". É interessante, no entanto, decorar falas bem estruturadas, espirituosas, que dão o charme à estória. Como essa oração que um pescador fazia, no conto "Viva Deus e ninguém mais", recolhido por Câmara Cascudo (que vou colocar em outra postagem):

Viva Deus e ninguém mais!
Quando Deus não quer,
No mundo nada se faz!

De resto, aprenda bem sua estória. Ensaie em frente ao espelho, grave num gravador. Conte para si mesmo, depois para um amigo. Nada mais embaraçoso do que se deparar com aquele terrível "branco" bem na frente de uma enorme plateia... A estória tem que fluir. Hesitou, dançou. Por isso, não recomendo decorar a estória, mas aprendê-la. Ademais, quem conhece a estória é você, que a está contando. Se esquecer um detalhezinho, apenas você vai saber. Por isso, nada de pânico se se vir em uma situação dessa. Não pare, continue a contar sua estória. Lembre-se: "o show deve continuar"!

4)Dominar o auditório
Primeiro, verifique o local onde vai se apresentar. Veja se não há elementos que possam distrair sua plateia. Peça, se for o caso, que desliguem os celulares. Assegure-se que nada tirará o foco de sua apresentação, mas prepare-se também para imprevistos, especialmente se o seu público são crianças... Nesse caso, sugiro manter contato visual com as que puder, dirigindo-se a elas, enquanto desenvolve sua narrativa. Envolva-as na sua estória, seduza-as com as suas palavras. Se uma lá no fundo começar a conversar, não pare de contar a estória. Se parar, cortará a magia e sua estória estará estragada. Ignore o tagarela. Se sua estória e o seu desempenho forem bons o bastante, a audiência estará com você.

5) Contar dramaticamente
Uma narrativa linear é maçante, entediante e desinteressante. Conte sua estória com a emoção certa, pinte a cena da forma mais vívida possível para que o seu público viaje com você, entre na estória, prenda a respiração nos momentos de tensão ou suspense. Guie-os nesse passeio. Mas, como disse antes, nada de exageros ou você pode perder sua estória. Observe o trabalho dos bons atores, principalmente os de teatro. Veja como se portam em cena.

6) Falar com voz adequada
Respire, nada de pânico para sua voz não soar gasguita ou estridente, o tempo é todo seu. Conte sua estória sem se apressar, delicie-se em cada passagem. Fale pausadamente, claramente, inspirando e exalando normalmente. O Prof. Silveira Bueno uma vez disse que "Uma fala correta e expressiva é, só por si mesma, agradável, representando, de antemão, dois terços do êxito a alcançar". Faça exercícios vocais, pegue um texto e pronuncie pausadamente cada sílaba, enunciando as vogais e as consoantes bem explicadas. Falar direito é importante para a compreensão da narrativa.
Em relação à altura da voz, é necessário saber o tamanho do local onde irá acontecer sua apresentação, pois é possível que você precise lançar mão de microfone. Prefira os de lapela ou aquele portátil, que se usa tanto em cursinhos. É preciso observar a acústica do lugar pois é um elemento muito importante no sucesso de sua apresentação. Nunca tente competir com os barulhos do lugar, senão você irá prejudicar sua voz, que é seu instrumento precioso de trabalho. Por isso, dê preferência a se apresentar em lugares calmos, longe de balbúrdia, telefones tocando, televisores ligados, etc etc.

7) Evitar ou corrigir defeitos da dicção
Sua voz é seu instrumento, já disse antes. Trate-a com carinho e cuidado. Faça exercícios vocais, aprenda a pronunciar todas as sílabas das palavras, sem "comer" nenhuma vogal ou consoante. Fale "explicadinho". Não engula ou junte palavras: vambora! Como disse antes, o contador de estórias é também um professor. Não ensine errado.

8) Ser comedido nos gestos
O gesto é um recurso dramático. Usado inapropriada ou exageradamente fica caricato, vazio. Uma contação monótona, sem graça, oca, tem um efeito hipnótico sobre a plateia. Logo, o seu ouvinte vai perder o foco, bocejar, olhar o relógio, doido para ir embora. Portanto, saiba manter sua atenção, movimentando-se pelo espaço onde está se apresentando. Preencha o espaço, use seus olhos, seus ombros, seus braços, suas mãos. Nada de enfiá-las no bolso, cruzá-las ou colocá-nas costas. Elas são preciosas auxiliares do seu trabalho. Por outro lado, cuidado com a síndrome da mão nervosa, que passa pelo cabelo, enxuga um suor imaginário, coça uma orelha, etc. Fica muito feio e desvia a atenção. Todos os seus movimentos devem ter um propósito dramático. O exagero leva ao ridículo.

9) Emocionar-se com a própria narrativa
Se você consegue se emocionar, imagina quem lhe escuta? Entre na estória, mergulhe no drama, ria com os personagens, sofra com eles. Enxergue-os como reais, irmãos, primos, tios ou vizinhos seus. Só assim você vai conseguir passar a emoção da sua estória, cativar seus ouvintes, levando-os, junto com você, nessa viagem pela imaginação. Se você mesmo se emociona com sua estória, parabéns! Encontrou o caminho certo.

Pronto. Essas são algumas dicas para ajudar no trabalho como contador de estórias. Aos poucos, vou publicando aqui estudos que, tenho certeza, vão ser muito úteis para quem se interessa pelo assunto.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Conto: "O velho pai"

Num banco de jardim da casa estão sentados um homem idoso e um jovem. O jovem lê o jornal, com atenção. O idoso parece imerso em algo indefinível. Então, um pequeno pássaro pousa no arbusto próximo e canta. O homem parece despertar e indaga:
- O que é aquilo? – apontando com o dedo na direção da pequena ave.
O rapaz alça os olhos e diz, secamente:
- É um pardal.
A avezita saltita de um galho a outro e a pergunta se repete:
- O que é aquilo?
A resposta agora não é somente seca, mas também denota enfado:
- Já disse, é um pardal!
O pássaro voa do arbusto para a árvore, continuando na sua dança matinal.
- O que é aquilo? – soa de novo.
Agora, o rapaz se irrita e quase grita:
- É um pardal!
A ave, feliz, prossegue no seu bailar. Alça voo e parece desaparecer. Poucos segundos passados e retorna ao chão, bicando aqui, saltitando acolá.
O homem leva a mão aos olhos, como se desejasse ajustar a visão embaçada e, com natural curiosidade, pergunta:
- O que é aquilo?
O filho responde, em altos brados:
- É um pardal! Já disse: um pardal.
E soletra, aos gritos:
- P - a – r - d – a – l. Você não entende?
O homem se ergue, sobe os degraus, adentra a casa, lento e decidido. Pouco depois, retorna com um velho caderno nas mãos. A capa é bonita, denotando que foi guardado com cuidado, como se guardam preciosidades. Abre-o, procura algo, depois o entrega ao rapaz, ainda inquieto e raivoso.
- Leia! – ele pede.
E acrescenta:
- Em voz alta!
Há surpresa no moço, que lê pausada e cada vez com maior emoção:
- Hoje, meu filho caçula, que há uns dias completou 3 anos, estava sentado comigo, no parque, quando um pardal pousou na nossa frente. Meu filho me perguntou 21 vezes o que era aquilo e eu respondi em todas as 21 vezes que era um pardal. Eu o abracei todas as vezes que ele repetiu a pergunta, vez após vez, sem ficar bravo, sentindo afeição pelo meu inocente garotinho.
Então, o filho olha o pai. Há culpa e dor em sua alma.
Abraça-o, lacrimoso, beija-lhe a face, emoldurada pela barba por fazer.
Estreita-o, puxando-o para perto de si. E assim ficam: um coração ouvindo outro coração.
- Perdão, papai...

***
Do site Momento Espírita

domingo, 7 de junho de 2009

Um pouco sobre os contos de fadas

Não há, na realidade, algo que identifique a literatura infantil como tal, a não ser justamente a faixa etária à qual é direcionada. Aliás, nem isso serviria de referência, pois não são só as crianças que lêem esse gênero.
Segundo Roger Sale, da Enciclopédia Grolier, a literatura infantil surgiu com o advento da classe média, da burguesia mais atuante, do século XVII. Antes disso, as crianças eram vistas como adultos em miniatura - vide as roupas que costumavam usar - com atribuições semelhantes aos dos adultos. Portanto, sua educação, costumes, entretenimentos e papel na sociedade não diferiam muito da dos pais.
Não havia esse conceito que temos hoje de que são seres delicados, que precisam de uma educação especial, baseada em conceitos pedagógicos, etc, etc. Naquela época, crianças eram apenas isso: adultos em menor escala. E como tal, seus divertimentos eram os mesmos de todos. Música, canto, esportes, estórias. O que os adultos faziam, as crianças também podiam fazer.
Os contos que hoje chamamos de fadas, na realidade, não foram imaginados para crianças. Eram contados para adultos, tanto em elegantes salões quanto nas rodas suburbanas. E as estórias nada tinham de inocente; elementos como bárbaros assassinatos, adultério, incesto, pactos com demônios não seriam particularmente indicados para ouvidos infantis, pelo menos não do modo como hoje encaramos essas doces criaturinhas...
As Fábulas, publicadas entre 1668-94, de Jean de la Fontaine, por exemplo, eram mais anedotas, com as quais ele costumava deliciar os freqüentadores dos mais célebres salões parisienses, como o do ministro do Tesouro de Luís XIV, Nicolas Fouquet, onde as falhas de caráter, vícios e maldades humanas eram transportadas para personagens do reino animal, do que precisamente contos direcionados ao público infantil.
Aliás, muitas das fábulas de La Fontaine foram inspiradas no trabalho de Esopo, um escravo nascido na Frígia em 620 AC, célebre pelos contos bem-humorados, sobre valores como honestidade, trabalho e lealdade, de narrativa simples e que sempre deixavam uma moral – a “moral da estória”. Entre os contos mais famosos dele estão "A Raposa e as Uvas", "A Lebre e a Tartaruga" e "A Cigarra e a Formiga".
A tradição dos contos narrados por babás ou carinhosas avozinhas, no entanto, só surgiu em 1697, com a publicação dos Contos dos Tempos Passados, do francês Charles Perrault, cujo subtítulo Contos da Mamãe Gansa se tornou mais conhecido entre nós. Este era uma coletânea de oito contos que ganhou mais três numa edição posterior. Os contos que faziam parte desse que é considerado o primeiro livro de contos de fadas foram: A Bela Adormecida no Bosque, Chapeuzinho Vermelho, O Barba-Azul, O Gato de Botas, As Fadas, A Gata Borralheira (Cinderela), Rique, o Topetudo, O Pequeno Polegar. Os contos que foram incluídos depois foram: Pele de Asno, Os Desejos Ridículos e Grisélidis.
Muitas das estórias de Perrault, no entanto, já eram conhecidas mas sob outras versões. Algumas já haviam até figurado em outras coletâneas como a dos italianos Giovanni Straparola e a de Giambattista Basile. E isso é quase uma regra: dificilmente se consegue identificar o verdadeiro autor de cada estória...
A publicação dos contos, antes transmitidos de forma oral, foi um dos grandes responsáveis pelo declínio dessa arte. Todos podiam lê-los, de modo que o interesse em contá-los e em ouvi-los foi pouco a pouco diminuindo. Hoje, por exemplo, é difícil termos o hábito de contar estorinhas para nossas crianças. O máximo que fazemos - quando o fazemos - é ler para elas. Parece que ninguém mais tem tempo para isso, infelizmente.
O primeiro livro realmente direcionado a elas foi uma coletânea de cantigas infantis, publicado por Mary Cooper em 1744, cujo sugestivo título era Para Todos os Pequenos Senhores e Senhoritas; para ser cantado para eles por suas babás até que possam cantar sozinhos.
A segunda coletânea foi Melodia de Mamãe Gansa, atribuída ao livreiro John Newbery, em 1760, considerado o primeiro a descobrir e explorar o mercado de livros para crianças. Os contos deste trabalho nada mais eram do que estórias de livros para adultos encurtadas, adaptadas, ilustradas e postas num livro menor e menos pesado para que as crianças pudessem manuseá-lo sem dificuldade.
Os próximos cem anos não produziram nada de muito significativo exceto a coletânea dos irmãos Jacob e Wilhelm Grimm: Contos de Fadas para Crianças e Adultos, publicada em alemão entre 1812 e 1815 e traduzida para o inglês em 1823. Os contos desse livro, muitos de escritores anteriores como Perrault, tinham o propósito de ensinar valores morais e acabaram por se tornar os mais populares em todo o mundo.
Em 1835 foi a vez do dinamarquês Hans Christian Andersen maravilhar o mundo com o seu Contos para Crianças. Entre os contos que figuravam nessa obra estavam:
O Pequeno Claus e o Grande Claus, A Princesa e a Ervilha (Uma Verdadeira Princesa) e As Flores da Pequena Ida.
Mais tarde, Andersen publicou vários outros contos como: As Roupas Novas do Imperador, O Patinho Feio , A Rainha da Neve, O Rouxinol, Sapatinhos Vermelhos, A Pequena Vendedora de Fósforos, O Soldadinho de Chumbo e A Pequena Sereia.
Andersen é considerado o precursor da literatura infantil mundial. Tanto que a data do seu nascimento, 2 de abril, tornou-se o Dia Internacional do Livro Infanto-Juvenil e a medalha Hans Christian Andersen é concedida aos melhores da categoria pelo Conselho Internacional de Livros para Jovens - a IBBY. A primeira brasileira a ganhar essa medalha foi Lygia Bojunga Nunes, em 1982, premiada pelo conjunto de sua obra.
Andrew Lang publicou, em 1889, The Blue Fairy Book, mais uma coletânea de contos de fadas, só que devidamente "purificados". Portanto, quem for ler qualquer um dos contos de fadas dos vários livros de Lang vai perceber que houve ali uma discreta censura vitoriana. Mas os contos, em suas versões menos inocentes, podem ser conferidos nos trabalhos dos Grimm, por exemplo.
Lang publicou ainda The Yellow Fairy Book, The Red Fairy Book, The Green Fairy Book, The Violet Fairy Book e The Crimson Fairy Book.
E no Brasil?
No Brasil, o maior autor infantil é, sem dúvida alguma, Monteiro Lobato, mas antes dele, já tivéramos bons trabalhos na nossa língua como a comédia infantil O Gorro de Papai, escrita em 1880 pelo conde Afonso Celso de Assis Figueiredo Júnior, filho do visconde de Ouro Preto, que foi inclusive um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras.
Monteiro Lobato é considerado o pai da literatura infantil brasileira moderna, com a publicação na Revista do Brasil, em 1920, dos primeiros fragmentos da estória de Lúcia ou a Menina do Narizinho Arrebitado. O primeiro volume sobra as aventuras de Narizinho (como a conhecemos hoje) foi publicado, na íntegra, nesse mesmo ano pela Editora Monteiro Lobato.
Entre 1918 e 1944, Lobato publicou 30 livros, a grande maioria dedicada às crianças e jovens.
Os brilhantes personagens de Monteiro Lobato, como a boneca Emília, o visconde de Sabugosa, a tia Nastácia, a dona Benta, o Pedrinho, Pedro Malasartes, a Cuca, o Saci-Pererê, foram levados para a televisão em fins da década de 70/início de 80, no seriado Sítio do Picapau Amarelo, apresentado pela TV Globo.
Depois de Lobato, vieram muitos outros cujos trabalhos que podem ser conferidos em séries como a Vaga-Lume, da Editora Moderna, autores maravilhosos como Tatiana Belinky, Ruth Rocha, Ana Maria Machado e tantos outros...
Pena que os pais não têm mais tempo nem disposição para contar estorinhas e os livrinhos permanecem empoeirados, jogados num canto qualquer, esperando para um dia, mais uma vez, trazerem sorrisos sonhadores em rostinhos infantis...

E é aí que entramos nós, os contadores de estórias! Percebe a importância do que fazemos? Resgatamos sonhos, moldamos espíritos e ofertamos esperança. E isso não é pouco, principalmente num século tão pesado, cheio de tristezas e decepções, onde há pouco espaço para a ilusão. Mas, como disse o poeta, sonhar é preciso!
***
Fontes:
1. Dicionário Crítico da Literatura Infantil e Juvenil Brasileira - Nelly Novaes Coelho - Ed USP
2. Enciclopédia Grolier
3. De Tudo um Pouco - homepage de Cristiane Madanêlo, mestra em literatura brasileira e especialista em literatura infantil e juvenil.

Imagens:
Internet, créditos desconhecidos

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Conto: "O macaco juiz"

Dois gatos, um branco e um malhado, depois de muita manha e trabalho, conseguiram roubar um belo queijo do reino de uma despensa e, uma vez postos a salvo, trataram de dividir a presa entre si.

A partilha deu lugar a um sério desentendimento entre ambos pois cada um queria o maior pedaço para si. O gato branco, não querendo ser roubado, propôs logo que o queijo - e a pendenga - fosse levado à presença de um macaco conhecido por toda a bicharada como justo e sábio.

Partiram ambos e, chegando à presença do juiz, o gato branco disse:

- Amigo Macaco, reconhecendo sua justiça e finura, propus ao meu amigo malhado que você fosse o juiz na questão da partilha deste queijo.

O gato malhado ajuntou:

- Aceitei logo e já digo, de antemão, que qualquer que seja a sua decisão, sábio amigo, eu irei aceitá-la, tal é a confiança que deposito em sua sabedoria.

- Bem, - disse o macaco, com ar sério - aceito a nobre missão, que me parece de fácil solução.

Dizendo isto, sentou-se diante de uma pequena banca, onde havia uma balança, e, tomando uma faca, partiu o queijo ao meio. Colocou cada parte do queijo em um do pratos da balança e viu que a da direita pesava mais do que a esquerda.

Pegando a parte mais pesada, deu-lhe uma dentada, tirando um bom naco para ver se assim equilibrava os pedaços. Porém, tal não aconteceu: o da esquerda agora é que ficou mais pesado. O macaco juiz não teve dúvida. Pegou o pedaço da esquerda e também aplicou-lhe uma boa dentada. Colocando os pedaços na balança, viu que ainda não estavam iguais e ele não teve remédio a não ser continuar mordendo um e outro até que ficassem com o mesmo peso.

Ao ver que os pedaços estavam diminuindo com uma rapidez espantosa, o gato malhado exclamou:

- Com mil raios e trovões! Se o senhor juiz continuar tentando equilibrar as partes, não vai sobrar mais nada!

- Basta! - exclamou por sua vez o gato branco. - Pode me dar a menor parte, que ficarei satisfeito.

- Ah, isso não! - respondeu o macaco. - Antes de tudo a justiça! Procuro dar a cada um quinhão igual...

E continou tranquilamente tirando um naco de cada um dos pedaços até que, restando apenas dois pedacinhos, mostrou-os aos gatos, dizendo-lhes:

- Isso agora também não vale equiparar! Vou comê-los também, como paga do trabalho que tive no julgamento dessa questão!

Bestinha esse juiz, não? :)

***

Adaptado da versão de Viriato Padilha - Histórias do Arco da Velha

terça-feira, 2 de junho de 2009

Conto: "O padre, o caboclo e o estudante"

Esse foi recolhido por Luís da Câmara Cascudo, acredito que o maior folclorista brasileiro, nascido em Natal/RN em 30 de dezembro de 1898. É ótimo para contar, tive excelentes experiências com ele, especialmente em hospitais...
"Um estudante e um padre viajavam pelo sertão, tendo como bagageiro um caboclo. Deram-lhe numa casa um pequeno queijo de cabra. Não sabendo como dividi-lo, mesmo porque chegaria um pequenino pedaço para cada um, o padre resolveu que todos dormissem e o queijo seria daquele que tivesse, durante a noite, o sonho mais bonito, pensando engabelar todos com os seus recursos oratórios.

Todos aceitaram e foram dormir.

À noite, o caboclo acordou, foi ao queijo e comeu-o.

Pela manhã, os três sentaram à mesa para tomar café e cada qual teve de contar o seu sonho. O padre disse ter sonhado com a escada de Jacó e descreveu-a brilhantemente. Por ela, ele subia triunfalmente para o céu. O estudante, então, narrou que sonhara que já estava dentro do céu, à espera do padre que subia. O caboclo sorriu e falou:

- Eu sonhei que via seu padre subindo a escada e seu doutor lá dentro do céu, rodeado de amigos. Eu ficava na terra e gritava:

- Seu doutor, seu padre, o queijo! Vosmincês esqueceram o queijo.

Então, vosmincês respondiam de longe, do céu:

- Come o queijo, caboclo! Come o queijo, caboclo! Nós estamos no céu, não queremos queijo.

O sonho foi tão forte que eu pensei que era verdade, levantei-me, enquanto vosmincês dormiam, e comi o queijo..."

***

Imagem: http://flanelapaulistana.com/

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Conto: "Os dois semblantes"

Esse conto, conforme apontou um grande contador de estórias, o Rogério Bellini, é ótimo para ilustrar os malefícios de vícios, como drogas e álcool.

"Certa vez, um grande artista foi escolhido para pintar um quadro a óleo, destinado a uma igreja de Roma. A tela teria por tema a vida de Jesus.

O artista, que há muito vinha esperando aquela oportunidade, imensamente feliz e cheio de entusiasmo, atirou-se ao trabalho ardorosamente.

Assim, durante meses a fio, e sem descanso, dedicou-se o pintor à execução do quadro. Quando, porém, faltava pouco para terminar, foi forçado a parar.

É que faltavam dois modelos importantíssimos, justamente aqueles que deveriam representar o Menino Jesus e Judas Iscariotes.

Pôs-se então à procura dos modelos.

Começou a busca em sua própria cidade. Percorreu todas as ruas, procurou em todos os bairros. Andou muito, viajou muito.

Examinou linha por linha centenas de rostos de meninos e de homens, sem que nenhum deles apresentasse as características que exigia para os personagens de seu quadro.

Foi então que retornando à sua terra natal, percorrendo novamente um velho bairro da cidade, viu um menino de doze anos, cujo semblante, de rara beleza e extraordinária meiguice, era justamente o que procurava.

O pintor exultou de alegria. Enfim, poderia continuar seu trabalho.

De imediato falou aos pais do menino e pôs mãos à obra.

Durante dias e dias, o garoto pousou pacientemente até que seus lindos traços fisionômicos passaram para a tela do pintor. Quando o menino se foi, o artista comentou:

- A beleza e a candura de sua alma estão refletidas em seu rosto.

O pintor começou a fazer novas buscas, agora na esperança de encontrar quem lhe servisse de modelo para a imagem de Judas.

Novas caminhadas... novas indagações...novos semblantes em desfile...

Mas ninguém satisfazia as exigências do artista.
A bela obra paralisada aguardava o seu último personagem, para ser exposta aos olhares do público.

E tudo indicava que tão cedo não seria terminada.

De fato os dias foram se escoando, os meses sucedendo-se um ao outro, os anos também se passaram e o quadro continuava no mesmo.

O pintor já desanimava, quando um dia, ao passar por um bar pouco recomendável, viu ao aparecer à porta um pobre homem esfarrapado e magro, sentado ao balcão. Estava embriagado.

O pintor aproximou-se e, condoído, estremeceu de horror e emoção.

Aquela fisionomia ainda moça, marcada impiedosamente pelo vício, ajustava-se com precisão à sua tela inacabada!

Encontrara, afinal, o seu Judas Iscariotes.

- Venha comigo, que eu cuidarei de você.

Pôs-se então o artista, dia e noite, a completar a tela.

E, coisa estranha, à medida em que o trabalho avançava, o modelo pouco a pouco demonstrava desalentadora tristeza.

O pintor percebia a transformação, mas nada comentava.

Um dia, porém, notando que lágrimas silenciosas deslizavam daqueles olhos encovados, interrompeu o trabalho e indagou interessado:

- Meu filho, por que se aflige tanto? Em que lhe posso ajudar?

Desatando a chorar, o modelo cobriu o rosto com as mãos.

Depois, passados instantes, olhou para o pintor e, timidamente, falou:

- Não se lembra de mim? Há muitos anos, pousei para o seu menino Jesus".

***

Extraído do site Meimei Obreiros do Bem

Ouça a estória "O galo rouco e o rato esperto", da Cigana Contadora de Estórias!

Quer saber quando tem estória nova no blog?

Apresentações de contadores de estórias

Palavra Cantada - O rato
Clara Haddad - O coelho e o baobá

Cia Ópera na Mala - A sopa de pedras do Pedro

Cia Ópera na Mala - Pedro Malazartes e o pássaro raro

Eventos & Cursos

A atualizar