sábado, 15 de junho de 2013

Estorinha: "O bolo de fubá" - de Pedro Bandeira


Pedro Bandeira é um daqueles escritores encantados, que possuem o dom de transportar o leitor - seja ele criança, adolescente ou adulto - a mundos fantásticos, como o da estória "O fantástico mistério de Feiurinha", publicado pela Editora FTD, vencedor do Prêmio Jabuti 1986 (Melhor Livro Infantil) e relançado pela Editora Moderna em 2009, numa edição especial, ilustrada com cenas do filme adaptado para o cinema, com a Xuxa no papel principal ("Xuxa em o Mistério de Feiurinha").


Xuxa e Pedro Bandeira na Bienal do Livro 2009 - Fotos: Divulgação

Aproveitando as festas juninas, publico aqui uma estorinha legal, versão da fábula "A galinha ruiva", de autoria desse maravilhoso escritor e contador de estórias - orgulho brasileiro.

O bolo de fubá

Pedro Bandeira


A Galinha Ruiva, a ciscar pelo terreiro, encontrou uma linda espiga de milho.
– Que achado! Vou fazer um bolo de fubá!
No terreiro, estavam o Pato, o Porco e o Peru a vadiar. A Galinha Ruiva foi até eles 
pedir ajuda:
– Quem me ajuda a debulhar o milho?
– Eu não – começou o Pato. – Estou muito ocupado...
– Eu não – continuou o Porco. – Estou muito cansado...
– Eu não – completou o Peru. – Pois hoje é feriado...
Sozinha, a Galinha Ruiva debulhou a espiga.
– Quem me ajuda a moer o milho? – pediu a Galinha Ruiva.
– Eu não – começou o Pato. – Estou muito ocupado...
– Eu não – continuou o Porco. – Estou muito cansado...
– Eu não – completou o Peru. – Pois hoje é feriado...
Sem ninguém para ajudar, a Galinha Ruiva moeu o milho e fez a farinha.
– Quem me ajuda a fazer a massa? – pediu a Galinha Ruiva.
– Eu não – começou o Pato. – Estou muito ocupado...
– Eu não – continuou o Porco. – Estou muito cansado...
– Eu não – completou o Peru. – Pois hoje é feriado...
Mais uma vez sozinha, a Galinha Ruiva amassou a farinha e preparou a massa do 
bolo.
– Quem me ajuda a assar o bolo? – pediu a Galinha Ruiva.
– Eu não – começou o Pato. – Estou muito ocupado...
– Eu não – continuou o Porco. – Estou muito cansado...
– Eu não – completou o Peru. – Pois hoje é feriado...
A Galinha Ruiva assou o bolo de fubá sozinha e, logo, o terreiro encheu-se do cheiro 
gostoso do bolo prontinho!
– Quem me ajuda a comer o bolo? – disse a Galinha Ruiva.
Mais que depressa, os três preguiçosos pularam do seu canto e vieram correndo.
– Eu ajudo! – apresentou-se o Pato, todo animado.
– Eu como! – disse o Porco.
– Pode deixar comigo! – veio dizendo o Peru.
A Galinha Ruiva pôs as asas na cintura e devolveu:
– Ah, é? Na hora que eu precisei de ajuda, nenhum de vocês apareceu. Agora que 
o bolo está pronto, vou comê-lo inteirinho, junto com os meus pintinhos! Quanto a vocês, 
chupem o dedo!

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Conto: "O presente dos magos" - O. Henry

O presente dos magos


Um dólar e oitenta e sete centavos. Era tudo. E sessenta centavos eram em moedas. Moedas economizadas uma a uma, pechinchando com o dono do armazém, o dono da quitanda, o açougueiro, até o rosto arder à muda acusação de parcimônia que tais pechinchas implicavam. Três vezes Della contou o dinheiro. Um dólar e oitenta e sete centavos. E no dia seguinte seria Natal.

Não havia evidentemente mais nada a fazer senão atirar-se ao pequeno sofá puído e chorar. Foi o que Della fez. O que leva à reflexão moral de que a vida é feita de soluços, fungadelas e sorrisos, com predomínio das fungadelas.

Enquanto a dona da casa gradualmente passa do primeiro ao segundo estágio, vamos dar uma espiada na casa. Um apartamento mobiliado, a oito dólares por semana. Não era exatamente miserável, mas tinha essa palavra pronta para o grupo de mendicância.

No vestíbulo embaixo havia uma caixa de correspondência na qual carta nenhuma seria posta, e um botão de campainha que nenhum dedo mortal jamais apertaria. Encontrava-se ali também um cartão anunciando o nome do "Sr. James Dillingham Young".

O "Dillingham" fora acrescentado durante um anterior período de prosperidade, quando seu possuidor estava ganhando trinta dólares por semana. Agora, que a receita baixara para vinte dólares, as letras de "Dillingham" pareciam nubladas, como se estivessem pensando seriamente em abreviar para um modesto e despretensioso D. Mas sempre que o Sr. James Dillingham Young voltava para casa e chegava ao seu apartamento lá em cima, era chamado de "Jim" e carinhosamente abraçado pela Srª. James Dillingham Young, já apresentada ao leitor como Della. O que está muito bem.

Della terminou de chorar e cuidou do rosto com a esponja de pó. Postou-se junto à janela e ficou a contemplar melancolicamente um gato cinzento caminhando sobre uma cerca cinzenta num quintal cinzento. Amanhã seria Dia de Natal e ela tinha apenas um dólar e oitenta e sete centavos para comprar o presente de Jim. Estivera a economizar tostão por tostão havia meses, e esse era o resultado. Vinte dólares por semana não dão para nada. As despesas tinham sido maiores do que calculara. Sempre são. Apenas um dólar e oitenta e sete centavos para comprar o presente de Jim. O seu Jim. Muitas horas felizes passara ela planejando comprar-lhe alguma coisa bonita. Alguma coisa fina, rara, legítima - algo que estivesse bem perto de merecer a honra de ser possuída por Jim.

Havia um espelho de tremó entre as janelas da sala. Talvez o leitor já tenha visto um espelho de tremó num apartamento de oito dólares. Uma pessoa muito esguia e muito ágil pode, com observar seu reflexo numa rápida seqüência de tiras longitudinais, obter uma concepção bastante acurada de sua aparência. Della, por ser esguia, lograra aperfeiçoar-se nessa arte.

Subitamente, afastou-se da janela e postou-se diante do espelho. Seus olhos estavam brilhantes, mas sua face perdeu a cor ao cabo de vinte segundos. Num gesto rápido, soltou o cabelo e deixou desdobrar-se em toda a sua extensão.

Ora, os James Dillingham Youngs tinham dois haveres de que muito se orgulhavam. Um era o relógio de ouro de Jim, que pertencera a seu pai e a seu avô. O outro era o cabelo de Della. Morara a Rainha de Sabá no apartamento do outro lado do poço de ventilação, e Della teria algum dia deixado o seu cabelo cair fora da janela para secá-lo e depreciar assim as jóias e as riquezas de Sua Majestade. Fora o Rei Salomão o zelador, com todos os seus tesouros empilhados no porão, e Jim teria puxado o relógio cada vez que por ele passasse, só para vê-lo arrancar as barbas de inveja.

O cabelo de Della, pois, caiu-lhe pelas costas, ondulando e brilhando como uma cascata de águas castanhas. Chegava-lhe abaixo do joelho e quase lhe servia de manto. Ela então o prendeu de novo, célere e nervosamente. A certo momento, deteve-se e permaneceu imóvel, enquanto uma ou duas lágrimas caíam sobre o puído tapete vermelho.

Vestiu o velho casaco marrom; pôs o velho chapéu marrom. Com um ruge-ruge de saias e coma centelha brilhante ainda nos olhos, correu para a porta e desceu rapidamente a escada que levava à rua.

Parou onde havia um letreiro anunciando: "Mme. Sofronie, Artigos de Toda Espécie para Cabelos". Della subiu a correr um lance de escada e se deteve no alto, arquejante, para recompor-se. Madame, corpulenta, alva demais, fria, dificilmente faria jus ao nome de "Sofronie".

- Quer comprar meu cabelo? - perguntou Della.

- Eu compro cabelo - disse Madame. - Tire o chapéu e vamos dar uma olhada no seu.

Despenhou-se, ondulante, a cascata de águas castanhas.

- Vinte dólares - ofereceu Madame, erguendo a massa com mão prática.

- Dê-me o dinheiro depressa - pediu Della.

Oh, as duas horas seguintes voaram com asas róseas. Perdoe-se a metáfora gasta. Della se pôs a vasculhar as lojas à procura de um presente para Jim.

Encontrou-o por fim. Fora certamente feito para ele e para ninguém mais. Nada havia que se lhe parecesse nas outras lojas, e ela as revirara de alto a baixo. Era uma corrente de platina, curta, simples e de modelo discreto, proclamando adequadamente seu valor por sua mesma substância e não por qualquer ornamentação espúria - como o devem fazer todas as coisas boas. Era digna até do Relógio. Tão logo a viu, soube que tinha de ser de Jim. Era como ele. Serenidade e valor - a descrição se aplicava a ambos. Vinte e um dólares cobraram-lhe por ela, e Della correu para casa com os oitenta e sete centavos. Com aquela corrente no relógio, Jim poderia preocupar-se decentemente com o tempo na frente de qualquer pessoa. Grande como era o relógio, ele às vezes o consultava meio envergonhado devido à velha tira de couro que usava em lugar de corrente.

Quando Della chegou a casa, seu embevecimento cedeu lugar a um pouco de prudência e razão. Pegou os ferros de frisar, acendeu o gás e pôs-se a reparar os estragos causados pela generosidade acrescida ao amor. O que sempre é uma tarefa muito árdua, queridos amigos - uma tarefa gigantesca.

Ao cabo de quarenta minutos, sua cabeça estava coberta de pequenos caracóis cerrados, que a faziam parecer, admiravelmente, um menino vadio. Contemplou sua imagem no espelho durante longo tempo, crítica e cuidadosamente.

- Se Jim não me matar - disse consigo mesma - antes de olhar-me pela segunda vez, dirá que pareço uma corista de Coney Island. Mas que podia eu fazer... oh, que podia eu fazer com um dólar e oitenta e sete centavos? Às sete horas, o café estava preparado e uma frigideira quente no fogão esperava o momento de fritar as costeletas.

Jim nunca se atrasava. Della dobrou a corrente no côncavo da mão e sentou-se a um canto da mesa, perto da porta pela qual ele sempre entrava. Ouviu então seus passos no primeiro lance da escada e empalideceu por um instante. Ela tinha o hábito de rezar pequenas preces silenciosas a propósito das mínimas coisas diárias, e agora murmurava:

- Oh, Deus, fazei-o por favor achar-me ainda bonita!

A porta se abriu, Jim entrou e a fechou. Parecia magro e muito sério. Pobre sujeito, apenas vinte e dois anos e já responsável por uma família! Precisava de um sobretudo novo e não tinha luvas.

Jim avançou alguns passos, tão rígido quanto um perdigueiro na pista de uma codorniz. Seus olhos estavam fitos em Dela e havia neles uma expressão que ela não conseguia ler e que a aterrorizava. Não era raiva, nem surpresa, nem desaprovação, nem horror; não era nenhum dos sentimentos para os quais ela estava preparada. Ele simplesmente a fitava com aquela peculiar expressão na face.

Della esgueirou-se para fora da mesa e se encaminhou para ele.

- Jim, querido - gritou - , não me olhe desse jeito! Mandei cortar o cabelo e o vendi porque não poderia passar o Natal sem dar um presente a você. Ele crescerá de novo... não se aborreça, por favor. Eu tinha de fazer isso. Meu cabelo cresce terrivelmente depressa. Diga "Feliz Natal!", Jim, e fiquemos felizes. Você não sabe que coisa bonita, que belo presente tenho para você.

- Mandou cortar o cabelo? - perguntou Jim a custo, como se não se tivesse ainda compenetrado desse fato patente após o mais árduo esforço mental.

- Cortei-o e vendi-o - disse Della. - Você não continua a gostar de mim do mesmo jeito, então? Estou sem cabelo, não estou?

Jim olhou à volta do aposento de modo curioso.

- Você diz que seu cabelo se foi? - insistiu, com um ar de quase idiotia.

- Não precisa procurar por ele - disse Della. - Foi vendido, como lhe disse... vendido, não está mais aqui. É Véspera de Natal, querido. Seja bonzinho comigo, fiz isso por sua causa. Talvez fosse possível contar os cabelos da minha cabeça - continuou ela, com súbita e grave doçura - mas ninguém poderá jamais avaliar o meu amor por você. Posso fritar as costeletas, Jim?

Emergindo do seu transe, Jim pareceu despertar rapidamente. Abraçou a sua Della. Por dez segundos, contemplemos, com discreta atenção, qualquer objeto inconseqüente, noutra direção. Oito dólares por semana ou um milhão por ano - qual a diferença? Um matemático ou uma pessoa arguta daria a resposta errônea. Os magos trouxeram presentes valiosos, mas isso não estava entre eles. Esta asserção obscura será esclarecida mais tarde.

Jim tirou um pacote do bolso do sobretudo e atirou-o sobre a mesa.

- Não me interprete mal, Della - disse. - Não acho que haja alguma coisa, corte de cabelo, raspagem ou xampu, capaz de fazer-me gostar menos da minha mulherinha. Mas se você abrir esse pacote, poderá ver por que fiquei abafado no princípio.

Alvos dedos ligeiros desfizeram o atilho e o embrulho. Ouviu-se então um grito estático de alegria, e depois, ai!, uma súbita mudança feminina para as lágrimas e os gemidos, que exigiram o imediato emprego de todos os poderes de consolação do senhor do apartamento.

Pois sobre a mesa jaziam Os Pentes - o jogo de pentes para cabelos que Della adorara havia muito numa vitrine da Broadway. Belos pentes, de tartaruga legítima, orlados de pedraria - da cor exata para combinar com o lindo cabelo desvanecido. Eram pentes caros, ela o sabia, e seu coração se limitara a desejá-los e a suspirar por eles sem a menor esperança de vir um dia a possuí-los. E agora pertenciam-lhe, mas as tranças que os anelados enfeites deveriam adornar não mais existiam.

Ela, porém, os apertou contra o peito e, por fim, pôde erguer os olhos nublados, sorrir e dizer:

- Meu cabelo cresce tão depressa, Jim!

E então Della pulou como um gatinho chamuscado e gritou:

- Oh! oh!

Jim ainda não vira o seu belo presente. Ela lho estendeu ansiosamente na palma da mão aberta. O fosco metal precioso parecia brilhar com o reflexo do seu jubiloso e ardente espírito.

- Não é uma beleza, Jim? Vasculhei a cidade toda para achá-lo. Doravante, você terá de ver as horas uma centena de vezes por dia. Dê-me o seu relógio. Quero ver como fica nele.

Em lugar de obedecer, Jim deixou-se cair no sofá, pôs as mãos atrás da cabeça, e sorriu:

- Della - disse - vamos pôr os nossos presentes de Natal de lado e deixá-los por algum tempo. São lindos demais para poderem ser usados agora. Vendi o relógio para conseguir o dinheiro com que comprei os seus pentes. Que tal se você fritasse as costeletas agora?

Os magos, como sabem, eram homens sábios - homens maravilhosamente sábios - que trouxeram presentes para a Criança na manjedoura. Inventaram a arte de dar presentes natalinos. Sendo eles sábios, seus presentes eram sem dúvida igualmente sábios. Possivelmente admitiam o privilégio de troca em caso de duplicação. E aqui lhes contei canhestramente a crônica não importante de duas crianças tolas, num apartamento, as quais da maneira a mais insensata, sacrificaram, uma pela outra, os maiores tesouros de seu lar. Mas como derradeira palavra para os sensatos dos dias que correm, seja dito que, de todos que dão presentes, os dois foram os mais sábios. Todos que dêem e recebam presentes como os deles são os mais sábios. Em toda parte, os mais sábios. São os magos."

Fonte: 
O. HENRY. Caminhos do Destino e outros contos. Seleção e prefácio de José Paulo Paes. Tradução de Alzira Machado Kawall e José Paulo Paes. Ediouro, 1988.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Livro digital x livro impresso

Lendo o artigo do economista Gustavo Ioschpe ("Educação e tecnologia: o sarrafo subiu"), na Veja edição 2.322 (de 22 de maio), sobre o discurso dos professores medíocres que dizem não conseguir estimular seus alunos por culpa da disparidade tecnológica entre a chamada Geração Y (geração que nasceu convivendo com a internet) e eles, dinossauros que não conseguem se adaptar às novidades - me deparei com uma declaração que me deixou de cabelo em pé e doida para digitar uma resposta - professora e contadora de estórias que sou. Ioschpe disse que já não há mais espaço para a intermediação - "No mundo pré-internet, precisávamos de intermediários para realizar uma série de atividades. Precisávamos de agência de turismo para comprar passagem de avião, de um jornal ou revista para receber notícias, de editoras e livrarias para ler um livro, de médicos para conhecer doenças e opções de tratamento.
Rapaz, concordei com quase tudo, o que pegou foi esse trecho de que não precisamos mais de editoras e livrarias para ler um livro
Como escritora - iniciante, porém empolgadíssima - essa opinião, baseada em evidências (já se pode comprar livros em formato digital e lê-los com todo o conforto em um tablet) - me deixa triste. Tudo bem, é mais barato e mais amigo do meio ambiente, porque menos árvores serão cortadas para produzir o papel. Mas ainda permaneço triste. 
Triste porque gosto de pensar que me sinto confortável em meio a toda essa tecnologia - apesar de não pertencer à Geração Y (já sou quarentona). Entendo as redes sociais e até consigo transitar, com relativa segurança e desenvoltura, por elas. 
Mas ler um livro em uma tela de cristal líquido (a tradução das letrinhas LCD) - para mim é uma chatice sem fim. Aquela luz me incomoda, me dá sono e me rouba o prazer de virar as páginas, sentir o cheirinho do papel, acariciar a capa, me deliciando com seus elementos visuais, segurar o livro ao peito com carinho como se um amigo fosse, e vê-lo, lindo, entre outros tesouros da minha biblioteca. Tudo bem que num simples pendrive eu consiga carregar centenas de obras de tudo quanto é formato - PDF, DOC, MP3, AVI, WMW, MPG4, DVIX, etc etc - mas é algo tão abstrato! Nesse notebook mesmo eu tenho um monte de livro - nem 10% lidos.
Aí eu matuto com meus botões e as teclas do meu teclado: será que esse tipo de facilidade - da obra digital - não está chegando cedo demais ao alcance de um público que ainda nem passou pelo estágio de se acostumar a - e curtir - folhear um livro? 
Peço vênia, meu caro Ioschpe, mas ainda acho que precisamos de editoras, livrarias, sebos, bibliotecas e livros - impressos. Esse negócio de virtual, digital e coisa e tal é coisa para outra geração.

Ouça a estória "O galo rouco e o rato esperto", da Cigana Contadora de Estórias!

Quer saber quando tem estória nova no blog?

Apresentações de contadores de estórias

Palavra Cantada - O rato
Clara Haddad - O coelho e o baobá

Cia Ópera na Mala - A sopa de pedras do Pedro

Cia Ópera na Mala - Pedro Malazartes e o pássaro raro

Eventos & Cursos

A atualizar