terça-feira, 9 de junho de 2009

Qualidades do contador de estórias

The Storyteller - pintura em óleo de Tereza

O mestre Malba Tahan, no Capítulo III de "A arte de ler e contar histórias", enumera as qualidades que um contador de estórias deve ter:

1º) Sentir, ou melhor, viver a história; ter a expressão viva, ardente, sugestiva
2º) Narrar com naturalidade, sem afetação
3º) Conhecer, com absoluta segurança, o enredo
4º) Dominar o auditório
5º) Contar dramaticamente (sem caráter teatral exagerado)
6º) Falar com voz adequada, clara e agradável
7º) Evitar ou corrigir defeitos da dicção
8º) Ser comedido nos gestos
9º) Emocionar-se com a própria narrativa

Vamos olhar essas características, uma a uma:

1) Sentir a história
Como se dá isso? Quando você lê uma estória, você se permite viajar nas palavras, imaginar as cenas, consegue sentir os aromas, o calor do sol, a brisa? Se consegue, viva! Já é um passo adiante. Mas se tem dificuldade nesse particular, terá que aprender uma técnica chamada "visualização". É muito usada em meditação e nos ajuda a sair da realidade, soltar o espírito, entrar em contato com o nosso íntimo. Faça um pequeno exercício de imaginação. Pegue uma imagem de uma fruta, por exemplo. Examine-a bem, veja a beleza e a vivacidade de suas cores. Imagine a sensação dela em sua mão. Permita-se aspirar seu delicado aroma. Imagine-se dando-lhe uma dentada, sentindo seu suco doce em sua boca. Faça esse exercício tantas vezes quantas forem necessárias para tornar a imagem o mais vívida possível. Mude de imagem. Pegue uma cena, um quadro. Observe os elementos, veja as pessoas pintadas nele. O que será que estão pensando, conversando? Quem são? Como é a vida delas? Viaje no que vê. Esses exercícios são ótimos para aprendermos a soltar as amarras do concreto, do cotidiano, e embarcar no abstrato. O contador de estórias precisa "ver" a cena que está narrando, senão como vai conseguir passá-la com a emoção certa para seu público?

2) Narrar com naturalidade
Menos é mais, já se disse muito isso. O exagero nunca é bom. Como você já deve ter desenvolvido a habilidade de "ver" e "sentir" sua estória, já consegue saber que sentimentos permeiam cada cena. Sinta o que está acontecendo, passe para sua audiência, mas sem afetação, sem teatralidade em demasia para não soar canastrice, caricato. Outra, traga a estória para a linguagem do seu ouvinte. Nada de estilo rebuscado, discursos empolados, retórica, etc etc. Só vai ficar chato e você vai soar esnobe, metido, enjoado. Lembre-se: para contar bem uma estória, deve ser estabelecida uma boa conexão com o seu ouvinte. Palavras difíceis, floreios e latim são ótimos para aborrecidos compêndios científicos e para entediar plateias. Discurso simples, narrativa clara, em linguagem correta, sem rebuscados, nem palavras de baixo calão ou gírias vulgares. Contar estórias também é educar.

3) Conhecer o enredo
Básico. Antes de contar sua estória, você tem que conhecê-la muito bem. Claro, não precisa decorar, tem que aprender. Ver as linhas principais do enredo, o que chamamos de "esqueleto". É interessante, no entanto, decorar falas bem estruturadas, espirituosas, que dão o charme à estória. Como essa oração que um pescador fazia, no conto "Viva Deus e ninguém mais", recolhido por Câmara Cascudo (que vou colocar em outra postagem):

Viva Deus e ninguém mais!
Quando Deus não quer,
No mundo nada se faz!

De resto, aprenda bem sua estória. Ensaie em frente ao espelho, grave num gravador. Conte para si mesmo, depois para um amigo. Nada mais embaraçoso do que se deparar com aquele terrível "branco" bem na frente de uma enorme plateia... A estória tem que fluir. Hesitou, dançou. Por isso, não recomendo decorar a estória, mas aprendê-la. Ademais, quem conhece a estória é você, que a está contando. Se esquecer um detalhezinho, apenas você vai saber. Por isso, nada de pânico se se vir em uma situação dessa. Não pare, continue a contar sua estória. Lembre-se: "o show deve continuar"!

4)Dominar o auditório
Primeiro, verifique o local onde vai se apresentar. Veja se não há elementos que possam distrair sua plateia. Peça, se for o caso, que desliguem os celulares. Assegure-se que nada tirará o foco de sua apresentação, mas prepare-se também para imprevistos, especialmente se o seu público são crianças... Nesse caso, sugiro manter contato visual com as que puder, dirigindo-se a elas, enquanto desenvolve sua narrativa. Envolva-as na sua estória, seduza-as com as suas palavras. Se uma lá no fundo começar a conversar, não pare de contar a estória. Se parar, cortará a magia e sua estória estará estragada. Ignore o tagarela. Se sua estória e o seu desempenho forem bons o bastante, a audiência estará com você.

5) Contar dramaticamente
Uma narrativa linear é maçante, entediante e desinteressante. Conte sua estória com a emoção certa, pinte a cena da forma mais vívida possível para que o seu público viaje com você, entre na estória, prenda a respiração nos momentos de tensão ou suspense. Guie-os nesse passeio. Mas, como disse antes, nada de exageros ou você pode perder sua estória. Observe o trabalho dos bons atores, principalmente os de teatro. Veja como se portam em cena.

6) Falar com voz adequada
Respire, nada de pânico para sua voz não soar gasguita ou estridente, o tempo é todo seu. Conte sua estória sem se apressar, delicie-se em cada passagem. Fale pausadamente, claramente, inspirando e exalando normalmente. O Prof. Silveira Bueno uma vez disse que "Uma fala correta e expressiva é, só por si mesma, agradável, representando, de antemão, dois terços do êxito a alcançar". Faça exercícios vocais, pegue um texto e pronuncie pausadamente cada sílaba, enunciando as vogais e as consoantes bem explicadas. Falar direito é importante para a compreensão da narrativa.
Em relação à altura da voz, é necessário saber o tamanho do local onde irá acontecer sua apresentação, pois é possível que você precise lançar mão de microfone. Prefira os de lapela ou aquele portátil, que se usa tanto em cursinhos. É preciso observar a acústica do lugar pois é um elemento muito importante no sucesso de sua apresentação. Nunca tente competir com os barulhos do lugar, senão você irá prejudicar sua voz, que é seu instrumento precioso de trabalho. Por isso, dê preferência a se apresentar em lugares calmos, longe de balbúrdia, telefones tocando, televisores ligados, etc etc.

7) Evitar ou corrigir defeitos da dicção
Sua voz é seu instrumento, já disse antes. Trate-a com carinho e cuidado. Faça exercícios vocais, aprenda a pronunciar todas as sílabas das palavras, sem "comer" nenhuma vogal ou consoante. Fale "explicadinho". Não engula ou junte palavras: vambora! Como disse antes, o contador de estórias é também um professor. Não ensine errado.

8) Ser comedido nos gestos
O gesto é um recurso dramático. Usado inapropriada ou exageradamente fica caricato, vazio. Uma contação monótona, sem graça, oca, tem um efeito hipnótico sobre a plateia. Logo, o seu ouvinte vai perder o foco, bocejar, olhar o relógio, doido para ir embora. Portanto, saiba manter sua atenção, movimentando-se pelo espaço onde está se apresentando. Preencha o espaço, use seus olhos, seus ombros, seus braços, suas mãos. Nada de enfiá-las no bolso, cruzá-las ou colocá-nas costas. Elas são preciosas auxiliares do seu trabalho. Por outro lado, cuidado com a síndrome da mão nervosa, que passa pelo cabelo, enxuga um suor imaginário, coça uma orelha, etc. Fica muito feio e desvia a atenção. Todos os seus movimentos devem ter um propósito dramático. O exagero leva ao ridículo.

9) Emocionar-se com a própria narrativa
Se você consegue se emocionar, imagina quem lhe escuta? Entre na estória, mergulhe no drama, ria com os personagens, sofra com eles. Enxergue-os como reais, irmãos, primos, tios ou vizinhos seus. Só assim você vai conseguir passar a emoção da sua estória, cativar seus ouvintes, levando-os, junto com você, nessa viagem pela imaginação. Se você mesmo se emociona com sua estória, parabéns! Encontrou o caminho certo.

Pronto. Essas são algumas dicas para ajudar no trabalho como contador de estórias. Aos poucos, vou publicando aqui estudos que, tenho certeza, vão ser muito úteis para quem se interessa pelo assunto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ouça a estória "O galo rouco e o rato esperto", da Cigana Contadora de Estórias!

Quer saber quando tem estória nova no blog?

Apresentações de contadores de estórias

Palavra Cantada - O rato
Clara Haddad - O coelho e o baobá

Cia Ópera na Mala - A sopa de pedras do Pedro

Cia Ópera na Mala - Pedro Malazartes e o pássaro raro

Eventos & Cursos

A atualizar