sexta-feira, 14 de maio de 2010

Matéria: "Conte uma história e reviva a magia dos contos" - Revista Espaço Aberto

Achei essa matéria pesquisando livros da Regina Machado, grande escritora e estudiosa da arte de contar estórias. É da Revista Espaço Aberto, da USP, edição de dezembro de 2004.

Era uma vez um casal muito feliz que tinha três lindas filhas. À noite, a mamãe não estava por perto para dar boa-noite nem para contar histórias porque trabalhava até tarde. Quem ficava em casa era o pai, mas ele pensava que contar história era algo que só acontecia nos filmes.

Até que um belo dia a mãe trouxe para casa uma coleção de livrinhos com contos de fadas infantis. A filha mais nova, de três anos, logo se apaixonou pelas histórias e exigiu que o pai lhe contasse uma delas todas as noites. Seu grande entusiasmo logo contagiou a família inteira. E o pai virou um grande contador de histórias.

Essa família existe, e a história também é real: o pai da esperta garota de três anos é Wanderley dos Santos, vigia do Museu de Zoologia da USP.
"De seis meses para cá, conto histórias quase todo dia. É um desafio, porque nunca foi um hábito. Mas vou contando, entrando na história e, querendo ou não, acabo interpretando o personagem", diz ele, que já quase decorou aventuras como as de Alladin e a Lâmpada Maravilhosa, Ali Babá, Cinderela, Branca de Neve e os Sete Anões.

Para Regina Machado, professora da ECA e estudiosa das histórias de tradição oral, contar histórias é, acima de tudo, um ato amoroso e uma nova forma de brincar e propiciar o encontro entre pais e filhos. "Qualquer história contada de um certo lugar, que eu chamo de lugar do coração, tem um efeito bom. O que as crianças mais querem ouvir é a voz do pai e da mãe de um jeito diferente do que estão acostumadas a ouvir todo dia. Saem ganhando pai e filho", destaca Regina, também autora de cinco livros na área.

Quem soube bem desfrutar dos benefícios desse encontro especial é Heloíde Araújo Carneiro, chefe da sessão de alunos da Faculdade de Direito. Ela conta histórias para o filho mais velho desde que nasceu. "Eu cantava e inventava músicas, misturava contos de fadas diferentes e até criei um príncipe das Abóboras, que era sempre o Tiago. Até os três anos ele se achava mesmo o príncipe das Abóboras!", recorda a mãe coruja, que deve a boa relação que tem com o filho, já com 15 anos, a esse tipo de contato. "Hoje somos muito unidos e ele é um adolescente tranqüilo", comemora.

A simbologia dos contos

Por muitos anos relacionado à vida no interior, o hábito de contar histórias parecia ter desaparecido na sociedade moderna. Mas, ao contrário do que muitos imaginam, a chegada da televisão nos lares brasileiros, principalmente a partir da década de 60, não foi o único motivo para o esvaziamento desse costume milenar. "A TV é apenas um dos fatores. Existe uma desagregação muito profunda dos valores humanos, dos costumes, e, principalmente, da idéia do que representa a família, que é de reunião", diz Regina. Para a professora,"os valores reais e encontros verdadeiros foram substituídos por coisas compradas e visões totalmente estereotipadas do que é isso. Por essa razão a história é tão importante: ela traz de volta a união entre as pessoas".

Ao contrário de Regina, que participa de um grupo de contadores de histórias há quatro anos, Tânia Machado, psicóloga do Laboratório de Estudos da Personalidade do Instituto de Psicologia, prefere ouvir. Na infância, as histórias contadas pela mãe eram tão marcantes que criou uma fada só para ela e, anos depois, decidiu fazer o mestrado sobre o impacto dos contos de fadas na educação das crianças. "Os contos trazem um modelo completo e uma proposta de desenvolvimento humano", descobriu.

Tânia, que estudou os símbolos presentes nos contos, garante que eles carregam uma sabedoria ancestral e arrisca dizer que crianças que têm contato com eles desenvolvem mais a imaginação, a criatividade e a capacidade de discernimento e crítica.

"O herói passa por várias coisas até que ele se torna rei, por exemplo. Há um percurso, um caminho, ele precisa aprender uma porção de coisas para se tornar rei. São metáforas, por meio das quais se aprende alguma coisa sobre si mesmo"

Regina lembra que uma das simbologias mais fortes é a "trajetória do herói", ou "trajetória de desenvolvimento humano". "O herói passa por várias coisas até que ele se torna rei, por exemplo. Há um percurso, um caminho, ele precisa aprender uma porção de coisas para se tornar rei. São metáforas, por meio das quais se aprende alguma coisa sobre si mesmo", ressalta a professora, lembrando que uma dessas metáforas está no próprio nome "realizar", que remete à clássica estrutura do príncipe que vira rei e, por isso, se "realiza": alcança sua transformação e fica no centro da própria vida.

Afinal, existe receita para contar uma boa história? Elas devem ser interpretadas, lidas ou inventadas? Devem ser histórias reais? Para Regina, é melhor esquecer essas preocupações. "Ler ou contar, tanto faz, desde que seja de uma forma viva. É preciso perder o medo: todo mundo pode contar uma história", garante, lembrando que somente experimentando e se entregando que pais e filhos podem se encontrar no mundo rico e mágico da imaginação.

DICAS DE REGINA MACHADO PARA ENCANTAR OS PEQUENOS COM A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS

- Leia e conheça a história que você vai contar. Ter curiosidade é essencial;

- Enquanto conta, procure ir vivendo a história, deixe-se guiar por ela;

- Conte para si mesmo. Não o faça por obrigação, esqueça a culpa;

- Observe a reação da plateia;

- Aproveite objetos inusitados e divertidos da casa, como panos e lenços, para dar mais possibilidades à história.

***

Fonte: http://www.usp.br/espacoaberto/arquivo/2004/espaco50dez/0capa.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ouça a estória "O galo rouco e o rato esperto", da Cigana Contadora de Estórias!

Quer saber quando tem estória nova no blog?

Apresentações de contadores de estórias

Palavra Cantada - O rato
Clara Haddad - O coelho e o baobá

Cia Ópera na Mala - A sopa de pedras do Pedro

Cia Ópera na Mala - Pedro Malazartes e o pássaro raro

Eventos & Cursos

A atualizar