quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Conto: "A flor da honestidade"

Adorei esse conto, quando o li. Essa versão, chamada "A honestidade sempre vence", é da coleção Pequenas Lições, da Editora Soler, com ilustrações de Roberta Castro. É excelente para o público adulto ou o infanto-juvenil. É uma bela lição sobre a importância da honestidade, virtude que transformou uma moça humilde em uma princesa.
***
"Houve uma época, na China antiga, que um príncipe estava para ser coroado imperador, mas, de acordo com a lei, deveria se casar antes da coroação.


Sabendo disso, o príncipe resolveu fazer um concurso entre as moças da corte e anunciou que receberia, naquela noite, todas as pretendentes para lançar um desafio.


Uma velha senhora que trabalhava no palácio há muitos anos, ao ouvir o anúncio, se entristeceu, pois sabia que sua jovem filha tinha um profundo sentimento de amor pelo príncipe.

Ao chegar em casa e contar à filha sobre o concurso, espantou-se ao saber que ela pretendia participar e perguntou:

- Minha filha, o que você vai fazer lá? Estarão presentes as mais belas e ricas moças da corte. Tire essa ideia maluca da cabeça. Sei que você está sofrendo, mas não transforme o seu sofrimento numa dor ainda maior.

E a filha respondeu:

- Não, mãe, não estou sofrendo nem estou louca. Sei que jamais poderei ser a escolhida, mas é a minha oportunidade de ficar pelo menos alguns minutos perto do príncipe. Só isso já me tornará muito feliz.

À noite, a jovem chegou ao palácio e, de fato, lá estavam as mais belas moças, com lindas roupas e jóias caras.

Então, o príncipe anunciou as regras do concurso:

- Darei a cada uma de vocês uma semente. Aquela que, dentro de seis meses, me trouxer a mais bela flor será escolhida minha esposa e futura imperatriz da China.

O tempo passou e a doce jovem cuidava com muito cuidado e ternura da sua semente, pois sabia que, se a beleza da flor que brotasse fosse na mesma extensão do seu amor pelo príncipe, ela teria grandes chances de ser a escolhida.

Porém, passaram-se três meses e nada surgiu no pequeno vaso.

Dia após dia, ela ficava mais triste e sem esperanças, pois a sua semente não havia brotado.

Por fim, os seis meses se completaram e nenhuma flor nasceu no vaso da jovem menina. Chorando, ela disse para sua mãe que, assim mesmo, voltaria ao palácio no dia combinado, pois queria apenas mais alguns momentos perto do seu amado príncipe.

No dia e hora marcados pelo príncipe, lá estava a jovem, com o seu vaso vazio, e encontrou todas as outras moças pretendentes, cada uma com uma flor mais bela que a outra, das mais variadas cores.

A jovem estava assustada e envergonhada, pois todas tinham flores belíssimas e seu vaso não tinha flor.

Finalmente, chega o grande momento. O príncipe vai de uma em uma e observa todas as lindas moças e as suas lindas flores, com muito cuidado e atenção.

Após passar por todas as moças, ele anuncia o resultado e indica a jovem humilde, com o vaso sem flor, como a sua futura esposa.

As pessoas presentes tiveram as mais diversas reações. Como o príncipe pôde escolher alguém que não conseguira cultivar uma flor, ao contrário das outras moças, que trouxeram lindas flores?

Então, calmamente, o príncipe esclareceu:

- Esta moça foi a única que cultivou a flor que a tornou digna de ser a imperatriz: a flor da honestidade. Pois todas as sementes que entreguei eram estéreis e não poderiam brotar."

Lindo, né? Que lição para aquela gente...

***
LEGRAND. A honestidade sempre vence. Belo Horizonte: Soler Editora, 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ouça a estória "O galo rouco e o rato esperto", da Cigana Contadora de Estórias!

Quer saber quando tem estória nova no blog?

Apresentações de contadores de estórias

Palavra Cantada - O rato
Clara Haddad - O coelho e o baobá

Cia Ópera na Mala - A sopa de pedras do Pedro

Cia Ópera na Mala - Pedro Malazartes e o pássaro raro

Eventos & Cursos

A atualizar